Archive for the ‘Copa América 2011’ Category

O MAIOR DA AMÉRICA

24/07/2011

Uruguai 3 x 0 Paraguai

Para quem duvidava que o futebol uruguaio passa por um processo de renascimento, todas as questões foram dissipadas hoje. A celeste olímpica goleou o Paraguai por 3 x 0 e se torna o país com maior número de títulos da Copa América.

Um prêmio para os comandados de Oscar Tabarez que no ano passado surpreenderam na Copa da África do Sul com uma brilhante quarta colocação. Lembremos que o Uruguai desde 2006 é o único time sul americano a ficar entre as quatro melhores seleções do planeta. Situação que nem os badalados Brasil e Argentina conseguiram.

Lugano levanta a taça: O Uruguai é campeão da Copa América

Hoje no estádio Monumental de Nunes o Uruguai se impôs logo de início. Com uma marcação adiantada na frente, a celeste olímpica fez uma blitz impiedosa contra a retaguarda paraguaia nos primeiros quinze minutos. Infelizmente o árbitro brasileiro Sálvio Espínola deixou de marcar um pênalti escandaloso de Ortigoza logo de início. Os guaranis tradicionalmente, armaram uma retranca monstruosa esperando o erro uruguaio ou quem sabe o título nas mãos de Justo Villar numa nova cobrança de pênaltis.

Mas a sequência de prorrogações nas quartas e na semifinal foram fatais para as pretensões paraguaias. Inferior tecnicamente , o Paraguai estava cansado e era incapaz de marcar as perigosas investidas de Forlán e Luiz Suárez. Aos onze minutos o centroavante celeste recebeu uma bola do lado esquerdo da área paraguaia e chutou forte. A bola ainda desviou em Verón bateu na trave e entrou nas redes de Justo Villar. Estava aberto o caminho para a décima quinta taça uruguaia.

O Paraguai, desnorteando tentava organizar um relativo domínio no meio campo, mas era travado pela forte e até violenta marcação celeste. Os minutos passavam e os guaranis não levavam perigo ao gol de Muslera. Quase no final do primeiro tempo, Forlán recebeu livre numa falha da retaguarda adversária e marcou o segundo gol de pé esquerdo. Era o fim de um longo jejum de um ano do camisa dez uruguaio. Maior artilheiro da história do selecionado.

Suárez: o artilheiro uruguai abriu o caminho do título

Na segunda etapa, o Paraguai estava menos defensivo e mais calmo depois da tempestade. O raçudo atacante Valdez até emendou uma bola na trave de Muslera numa tentativa vã de diminuir o prejuízo da péssima estratégia paraguaia no primeiro tempo. O Uruguai levou o jogo no banho maria e com muita lucidez administrou a vantagem com brilhantismo. Aos 44 numa linda jogada de contra ataque que começou num chapéu de González, Suarez tocou de cabeça para Forlán colocar a pá de cal na seleção paraguaia. Os 3 x 0 no placar foi uma recompensa ao time que quis jogar futebol não apenas na final, mas em todo o torneio.

Forlán: a estrela uruguaia brilhou na final

Com raça, determinação e também muita técnica o Uruguai volta ao topo da América do Sul. Uma lição nos tempos de moleques mimados, jogadores fraldinhas e vaidosos que julgam uma seleção como um mero divertimento para suas entediantes vidas de celebridades futebolísticas.

Ledo engano. O Uruguai nos prova que a paixão por uma seleção pode existir. E que o sangue na camisa pode ser muito mais recompensador do que um mero topete.

 

VITÓRIA “FALSIFICADA”

22/07/2011

Paraguai 0(5) x 0(3) Venezuela

Uma equipe pode ser campeã de um torneio continental sem uma única vitória?

Sim.

Senhoras e senhores esse é o defensivo Paraguai do treinador Gerardo Martino. Um time que pode fazer história numa das piores Copas Américas de todos os tempos.

Não dá para reclamar. O futebol nem sempre premia os mais justos. O Paraguai é um time razoável. Tinha mais força com Cabanas e Roque Santa Cruz. Mas com a ausência dos dois, o time guarani é um ferrolho chato, desagradável e insuportavelmente eficiente. Valdez não tem o talento dos dois artilheiros ausentes, mas é raçudo e incomoda a retaguarda adversária.

paraguaios comemoram a classificação: mais uma vez nos pênaltis

Na semifinal de quarta feira, a zebra Venezuela foi melhor. No primeiro tempo, a partida foi até mais equilibrada, mas a seleção “vinho tinto” cansou menos e passou a dominar. Os venezuelanos tiveram um gol estranhamente anulado pelo árbitro Franciso Chacón e conseguiu colocar três bolas nas traves de Justo Villar no segundo tempo e na prorrogação. Pela inédita campanha que fez ( a melhor da história do futebol venezuelano em um torneio oficial da seleção principal) os jogadores da terra de Hugo Chávez mereciam melhor sorte. Mas ela resolveu favorecer Justo Villar mais uma vez.

Larissa Riquelme: Meuuu Deusss!

A seleção paraguaia hoje lembra muito a Argentina na Copa de 1990 que chegou a final da competição com apenas duas vitórias e que teve o arqueiro Goycochea como grande destaque nas decisões por pênaltis. É bom o Uruguai não vacilar. O Paraguai apesar de extremamente defensivo é também perigoso. Um menor erro pode ser fatal para as pretensões celestes de se tornar o maior campeão da América do Sul.

Justo Villar: ele fez a diferença mais uma vez

Uruguai e Paraguai fizeram boas campanhas na Copa do Mundo no ano passado e a ida deles para a final em Buenos Aires é a confirmação disso.

Domingo, que vença o melhor.

Ou o pior.

A AFIRMAÇÃO CELESTE

20/07/2011

Uruguai 2 x o Peru

O Uruguai confirmou o seu favoritismo contra o Peru e está na final da Copa América depois de uma ausência de onze anos. Será a oportunidade do time de Diego Forlán se tornar o maior campeão das América do Sul já que a celeste divide quatorze títulos da competição com a Argentina ao longo da história.

Forlán: o craque faz bonito outra vez nos gramados argentinos

Ontem no péssimo gramado do estádio Cidad de La Plata, o primeiro tempo da primeira semifinal da competição foi disputado e tenso. O técnico do Peru, o uruguaio Sergio Marcarian armou novamente uma retranca pesada, fato comum nos times de menor expressão no torneio. O craque Diego Forlán e o artilheiro Luiz Suárez foram bem marcados pelos sistema defensivo do Peru, que não deixou o meio campo celeste fazer uma ligação direta com o ataque. Os peruanos tentavam boas jogadas com os atacantes Guerreiro e Advíncula, mas graças a incrível garra do time uruguaio prevaleceu. Era impressionante a vontade dos comandados de Oscar Tabarez. Não havia bola perdida.

Lugano: garra uruguaia parou o Peru

Com a dedicação tática dos dois lados, o jogo caminhava para um desagradável empate sem gols. Mas na segunda etapa o Uruguai teve mais ímpeto e técnica. Diego Forlán, o maior jogador da Copa América até aqui, se deslocava em vários setores do campo sempre procurando um melhor posicionamento na muralha adversária. Aos sete minutos, o camisa dez celeste emendou um chute que foi rebatido pelo goleiro Fernández. Suárez, oportunista como sempre, abriu o placar. Era a senha para que todo o esquema do Peru desmoronasse. Pouco tempo depois, o Peru saiu em disparada e desguarneceu sua retaguarda. No contra ataque o Uruguai fez o segundo com o mesmo Suárez após um belo passe de Alvaro Pereira.

Suárez: dois gols e artilheiro da Copa América

Após a expulsão infantil de Guerreiro, a vitória charruá era só questão de minutos. A seleção peruana tentou pressionar no final mas foi inútil. Muslera fez apenas uma boa defesa no segundo tempo. Desde que o sistema de mata-mata foi instituído na Copa América em 1975 o Uruguai acumula seis finais. Um currículo impressionante para uma seleção carimbada como “decadente”ao longo das últimas décadas. Após a boa campanha do mundial de 2010, o Uruguai confirma o seu favoritismo. Só não se pode afirmar que já é o campeão pelas zebras constantes que teimam em aparecer nos esburacados gramados  argentinos.

TORCEDOR INFILTRADO

18/07/2011

Propaganda sensacional, original e divertida.

VITÓRIA JUSTA? NÃO! DE JUSTO!

17/07/2011

(0) Brasil 0 x 0 Paraguai(2)

O futebol como bem sabemos é um esporte totalmente imprevisível. Talvez a mais inesperada modalidade do planeta. Quem poderia dizer que a equipe do Paraguai com onze jogadores na defesa poderia suplantar o Brasil, que fez o seu melhor jogo na Copa América?

Os Guaranis conseguiram.

Gerardo Martino, treinador paraguaio já deu a dica numa entrevista coletiva dias antes da peleja. Iria marcar Paulo Henrique Ganso e cumpriu a promessa. O camisa dez da seleção fez algumas grandes jogadas no primeiro tempo, mas com o passar dos minutos desapareceu mediante a “muralha” paraguaia. O Brasil começou a partida frenético e alucinante. Neymar e Pato perderam gols a rodo e o arqueiro paraguaio Justo Vilar teve a melhor atuação de sua vida. A defesa no chute a queima roupa de Pato foi magistral.

Justo Villar: a maior atuação da vida do arqueiro paraguaio

Parecia que o Brasil iria sair com uma vitória consagradora e apagaria toda a tosca primeira fase do time de Mano Menezes. Mas no segundo tempo, a seleção brasileira caiu de produção, apesar de ainda ser o melhor time em campo. A partida lembrou uma pelada de ataque versus defesa tão ampla era a superioridade brasileira em La Plata. Mas não adianta. No futebol, o que vale é bola na rede a equipe canarinho não traduziu sua superioridade técnica em gols.

Larissa Riquelme: beleza contra o horrível futebol paraguaio dentro de campo

Para piorar Mano Meneses resolveu inventar. Depois da saída de Neymar e a entrada de Elano, o treinador brasileiro substituiu Ganso pelo promissor Lucas. O meia atacante do São Paulo, ainda muito verde para jogar um torneio desse porte não alterou o ritmo de jogo e o Brasil não conseguiu furar o ferrolho guarani até a cobrança dos pênaltis.

Neymar: um caminhão de gols perdidos

Era tudo que o Paraguai queria. Sem chances de vencer a seleção brasileira no mano a mano (não é trocadilho com o nome do treinador da seleção por favor), só restou a equipe de Valdez e Lucas Barrios vencer na bola parada. E depois de quatro cobranças horríveis de Elano, Thiago Silva, André Santos e Fred, os paraguaios fizeram a lição de casa e despacharam o tricampeonato do Brasil.

André Santos isola: a pior série de penais da história da seleção

As desculpas da eliminação foram muitas. Algumas patéticas como o “estado do gramado” e que “pênalti é loteria”. Mas o mais preocupante foi a declaração de Robinho, para o Brasil “levantar a cabeça para a Copa de 2014”.

Pois é Robinho. Vai ter que treinar muito.

HAJA IMOSEC!

17/07/2011

A VITÓRIA DO SANGUE E DA ALMA

17/07/2011

Argentina 1 (4) x  Uruguai 1(5)

Argentina e Uruguai fizeram o melhor jogo da Copa América até agora. Uma grande partida, digna das duas camisas bicampeãs do mundo e olímpicas. Porém há algumas coisas a considerar em relação aos time da casa.

Nossos vizinhos não tem uma boa safra de jogadores há muito tempo. Os argentinos já estão cansados de ver esse filme. Muitos novos “Maradonas” passaram. Ortega, Riquelme, Aimar, Tévez e agora Messi e a Argentina continua a viver do passado. Se esquecem que Maradona foi a exceção e não a regra. Jamais os argentinos terão um atleta igual.

O problema não é o ataque. É a defesa, meio campo e o resto. Começa pelo presidente da AFA, Julio Grondona que está há mais tempo no poder que Ricardo Teixeira. Segundo é o treinador quase amador que foi contratado por ele. Sergio Batista é um brincalhão. Bianchi se aposentar sem ao menos dirigir a seleção foi uma das maiores besteiras do futebol platino.

Deveriam pegar o exemplo de seus vizinhos uruguaios que se livraram dos dirigentes nefastos e fizeram a celeste ressurgir após um sono de quase trinta anos. O futebol argentino passa por um processo de decadência. Vide a classificação sofrida na bacia das almas nas eliminatórias e a humilhante goleada que sofreu da Alemanha na última Copa do Mundo.

Messi: o "melhor jogador do mundo" não mostrou serviço em casa

Agora a Argentina passa pelo vexame de empatar três partidas e vencer apenas o time sub-baby da “poderosa” Costa Rica em seus domínios. Lamentável que uma força da América do Sul tenha chegado a esse ponto.

Ontem no estádio Cemitério dos Elefantes em Santa Fé, o Uruguai mostrou toda a sua qualidade, raça e alma no jogo. Deu um banho tático no time de Batista com uma marcação implacável sobre Messi, Di Maria e Aguero. O atacantes Forlán e Luis Suárez levaram a fraca defesa argentina ao desespero. A cada bola alta era um Deus nos acuda na retaguarda portenha. Numa falta cobrada magistralmente pelo camisa dez uruguaio, Cáceres desviou e a bola sobrou para Diego Pérez tocar. Gol do Uruguai e comemoração celeste.

Forlán comemora: o Uruguai repete 1987 e elimina a Argentina

A Argentina se abalou com o tento mas logo se recuperou. Num belo lançamento de Messi, Higuain ficou livre e tocou de cabeça sem chances para Muslera. Com a expulsão de Pérez parecia que a Argentina iria enfiar um saco de gols em seu antigo rival. Mas não foi o que aconteceu.

Mais experientes os uruguaios se multiplicaram em campo. A vantagem de um atleta a mais não surtiu efeito para a Argentina e para piorar Forlán incomadava praticamente sozinho no ataque. Nem a entrada de Tévez melhorou o poder ofensivo do time da casa. Numa falta cobrada pelo ex-atacante do Corinthians, Muslera operou um verdadeiro milagre em duas defesas monstruosas.

Muslera: atuação de gala

A partida se caminhou para uma sofrida prorrogação até a roleta dos pênaltis. O Uruguai fez cinco cobranças perfeitas e o argentino Tévez, o “jogador do povo” teve seu chute defendido pelo excelente goleiro uruguaio. No aniversário de 61 anos do “Maracanazzo” a celeste colocou água no chope do time da casa mais uma vez.

Tévez : o argentino pipocou de novo

Coincidência ou não foi o mesmo Uruguai que eliminou a Argentina na última Copa América disputada nas terras de Maradona em 1987. A história se repetiu novamente e com toda a justiça. Mais uma vez, a charruá da celeste gritou mais alto num dia 16 de Julho.

EL CLÁSSICO

16/07/2011

A primeira fase da Copa América 2011 não foi muito animadora para os torcedores. Talvez tenha sido a primeira fase mais fraca nos últimos trinta anos. Porém a sonolenta primeira fase acabou e as quartas de final prometem com dois grandes jogos do futebol sul americano. Argentina contra o Uruguai e Brasil versus Paraguai.

Porém não existe clássico mais tradicional na América do Sul que Argentina x Uruguai. Uma disputa centenária que atravessou o século XX e que chega nos gramados do estádio da cidade de Santa Fé hoje. Em jogo a hegemonia do futebol sul americano. Tanto Uruguai quanto Argentina tem quatorze títulos da Copa América cada.

Já decidiram uma Olimpíada. Já fizeram a final da primeira Copa do Mundo e também várias decisões de Copa América. São as duas seleções que mais chegaram em decisões do torneio.

A equipe que conseguir uma vitória hoje ganhará uma tremenda força para chegar a final e quem sabe vencer o décimo quinto título do torneio sul-americano. Será o duelo da equipe da casa contra o melhor time sul americano da última Copa. Messi versus Forlán. Aguero versus Luiz Soares. Quem vencerá?

Jogão para não perder de jeito nenhum.

O MAIS BELO RIO

15/07/2011

O internauta que costuma a acessar diariamente o meu blog deve ter se perguntado porque os jogos da seleção brasileira na Copa América não estão sendo postados.

A explicação é bem simples:Eu não estou vendo os jogos.

Preguiça? Não. Falta de entusiasmo mesmo.

A seleção brasileira para mim não é a mesma coisa que há 25 anos atrás. Quando era moleque até cabulava as aulas do saudoso E.E.P.S.G. Rodrigues Alves para assistir os jogos do Brasil. E era cada partida…

Hoje em dia, não consigo ver uma partida da seleção canarinho sem dar um bocejo. Pior, durmo feito um urso Panda no meio da gritaria desenfreada do Galvão Bueno. Quem é que sobe? Eu durmo e com gosto. Não há remédio melhor para a insônia do que assistir a um jogo da seleção brasileira.

Até já sei. Virão os “Pachecos” de plantão. Os torcedores adeptos do samba, suor e cerveja que irão encher o meu saco falando que o Brasil é “cinco vezes campeão do mundo”, “melhor futebol do planeta” e todas aquelas afirmações que estamos cansados de ouvir.

Primeiro, “melhor futebol do planeta” onde mané? Só se for no futsal. No futebol de campo masculino a última seleção campeã do Mundo se chama Espanha. Que eu saiba, o Brasil não passa das quartas de final há dois mundiais.

É dureza. Por muito tempo separei as canalhices de Ricardo Teixeira do time do futebol. Até porque o esporte é completamente podre por dentro. Está aí a Fifa como exemplo. Mas hoje é muito difícil não fazer essa associação.

Por mais que tente, não consigo sentir nenhuma simpatia pela seleção atual. Ela me soa nojenta e mascarada, cheia de jogadores fraldinhas que adoram se esconder no Ipod e dizer palavras ensaiadas em entrevistas. E ainda com um presidente acusado de vários casos de corrupção e que deseja ferrar o clube pelo qual torço, vocês querem que eu faça o que? “Vibre e cante” com a seleção brasileira?

Não dá. Não tenho cara de pau de nem estômago pra isso. Seria muita hipocrisia da minha parte. Nos últimos anos assisto a seleção como um espectador neutro. Pode ganhar a Copa ou perder para a Venezuela. Para mim tanto faz.

Quem sabe um dia o entusiasmo volte. Quando nós percebermos que a seleção brasileira tem jogadores e técnicos que realmente representem o futebol de nosso país. Sem duvida, muitos torcedores sentem o mesmo. A maioria  prefere torcer para os seus clubes de coração  do que para a equipe de Mano Meneses. Isso é fato público e notório.

Afinal de contas como escreveu Fernando Pessoa, “O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia”.

COPA AMERDA!

10/07/2011

A seleção do Ricardo Teixeira empatou com o Paraguai?

Ah tá.

Cago um monte!