Archive for the ‘Boca Juniors’ Category

LIBERTADORES – QUARTAS DE FINAL – IDA

25/05/2013

Fluminense 0 x 0 Olímpia

FUTEBOL VAGABUNDO

Wellington Nem: má jornada

Wellington Nem: má jornada

Se existe um time a ser estudado no Brasil essa equipe é o Fluminense.

É um caso de análise psiquiátrica profunda.

Um time milionário, com um bom elenco e que lamentavelmente atua como um clube da terceira divisão do Rio de Janeiro.

Na campanha do título brasileiro, o Flu jogou grande parte da campanha com um estilo pragmático, frio e sem sal. O time fazia um gol e se segurava atrás. Estilo Abelão de ser. Um dos discípulos do “Muricybol”.

Na quarta em São Januário, o tricolor carioca se preocupou mais em não tomar o gol do que fazer. O Olímpia ficou na dele e adorou o 0 x 0 em São Januário. Foi para isso que o Fluminense praticamente abdicou do título carioca. Para ter atuações bisonhas como a de quarta-feira?

O que Abel Braga tem fazer agora é deixar seu time fazer o que sabe de melhor: atacar. Na capital paraguaia o clube carioca vai ter que deixar esse futebol comodista e vagabundo de lado se quiser se classificar para as semifinais. Em Assunção não vai ter moleza.

Real Garcilaso 1 x 3 Santa Fe

É SANTA FE! NÃO INDEPENDIENTE!

Cuero comemora: Santa Fe com um pé na semifinal

Cuero comemora: Santa Fe com um pé na semifinal

O Santa Fe detonou o peruano Real Garcilaso dentro da casa do adversário por 3 x 1. Um grande resultado do time de Bogotá e que praticamente garante a classificação inédita do Expresso Vermelho para a semifinal da Libertadores. Depois de derrotarem o milionário time de Vanderlei Luxemburgo a equiper colombiana se torna a grande sensação dessa Libertadores da América.

O problema é quando ouvimos notícias e lemos alguns jornais aqui no Brasil. Alguns veículos insistem em chamar o clube de Independiente de Santa Fe, como se o mesmo fosse uma imitação barata do clube argentino que mais venceu Libertadores até agora.

Mas as coisas não são bem assim. Na Colômbia ninguém chama o clube primeiro pelo nome de “Independiente” e sim somente pela alcunha de Santa Fe. O termo “Independiente” faz parte do nome oficial do clube, o que é comum a vários times do mundo.

Aqui no Brasil ninguém chama o Palmeiras de “Sociedade Palmeiras” ou o Flamengo de “Regatas Flamengo”.

Santa Fe é o nome popular, conhecido pela população colombiana e que é um dos times de maior torcida da capital, Bogotá e que tem grande rivalidade com os Milionários.

Quem quiser conhecer melhor esses dois times assistam esse programa abaixo. E aprendam de uma vez por todas é Santa Fe, não Independiente!

Tijuana 2 x 2 Atlético-MG

OSSO DURO DE ROER

Gilberto Silva: sufoco na fronteira

Gilberto Silva: sufoco na fronteira

O time de Belo Horizonte  começou muito mal a partida na fronteira do México com os Estados Unidos. Começou perdendo de 2 x 0 e por pouco dificultou a sua grande campanha nessa Taça Libertadores. Porém o time mineiro conseguiu se adaptar rápido ao gramado sintético e teve uma grande recuperação no segundo tempo. Diego Tardelli diminuiu e Luan já nos descontos fez o gol milagroso de empate. O Galo passou sufoco mas se saiu bem. Em casa terá todas as chances para chegar à semifinal. Porém, a equipe mexicana mostrou muitas qualidades nessa Libertadores.

Ao contrário do que muitos times por lá fizeram, os “Xolos” estão priorizando o torneio sul americano. Quebraram a invencibilidade do Corinthians e eliminaram o Palmeiras dentro da casa do adversário. Todo cuidado é pouco. No Tijuana o Douglas não joga. No Horto, o Atlético vai ter que jogar o que sabe para passar de fase.

Boca Juniors 0 x 0 Newell´s Old Boys

EMPATE SEM SAL

Riquelme: anulado pela defesa leprosa

Riquelme: anulado pela defesa leprosa

O Boca que faz uma campanha bisonha no Torneio Final bem que tentou sufocas os “leprosos” usando a velha mística de “La Bombonera”. Porém o Newell´s mostrou porque é o atual líder da competição portenha. Os comandados de Gerardo Martino marcaram muito bem todas as jogadas de ataque da equipe Xeneize. Riquelme tentou furar o cerco mas teve poucas oportunidades. Apesar da posse e de maior volume de jogo o Boca não conseguiu traduzir isso em gols no primeiro tempo.

Na segunda etapa, o Newell´s melhorou ainda mais a marcação. Não se intimidou com o barulho do estádio e por pouco não fez um golaço numa linda virada de Scocco. Sem o árbitro Carlos Amarilla fica difícil o Boca obter alguma vantagem. A decisão ficou para o estádio “Colosso Del Parque” em Rosário. Os “leprosos” tem tudo para irem a semifinal e conquistar o título que escapou de suas mãos em 1988 e 1992. Ao Boca, resta atuar como franco atirador e mais uma vez chegar perto da tão sonhada sétima conquista da Libertadores e se tornar definitivamente o “ El Rey de Copas”, mas os tempos são outros.

Anúncios

RESUMO DA ÓPERA 23/05/2013

23/05/2013

Olá leitores. Por causa de um modem quebrado fiquei duas semanas sem poder escrever no blog. Bem, com tudo arrumado poderemos comentar o que aconteceu durante esses dias turbulentos. O resultado? O maior “Resumo da Ópera” de todos os tempos aqui no blog.

As Loucuras do Rei Juvenal

Juvenal: coletiva vergonhosa

Juvenal: coletiva vergonhosa

Todos os internautas que acompanham o meu blog estão cansados de saber que não morro de amores pelo presidente do São Paulo, o intragável Juvenal Juvêncio. O golpe estatutário foi a confirmação de uma ditadura medonha que se apoderou do clube e agora constatamos as trágicas consequências dos conselheiros adotarem um cartola caudilho.

Na semana passada o cidadão afastou 7 jogadores logo após a humilhante eliminação contra o Galo na pior campanha do São Paulo na história da Libertadores.

Os culpados? Atletas que acabaram de se recuperar de graves contusões e outros que mal foram aproveitados no time titular neste primeiro semestre.

Outro imenso atestado de “genialidade” do cartola tricolor, que covardemente aponta “culpados” como se o Cañete tivesse culpa do Lúcio ser um zagueiro transloucado e do Nei Franco sempre colocar o Douglas. Ao expor desnecessariamente alguns jogadores, Juvenal deu uma aula de anti marketing esportivo e desvalorizou o próprio produto.

A atitude de Juvêncio, claramente demagógica é uma imensa piada de mau gosto e revela porque o tricolor paulista perdeu o baluarte do pioneirismo para outros clubes do futebol brasileiro. Como previmos, o terceiro mandato do atual presidente são paulino se tornou um desastre e o torcedor são paulino vai ter que aturar muitas besteiras até Abril de 2014 infelizmente.

O Trio de Ferro Dançou na América

Riquelme: o carrasco do Brasil na Libertadores

Riquelme: o carrasco do Brasil na Libertadores

Depois da eliminação do São Paulo na Libertadores, mas dois times do chamado “Trio de Ferro” de São Paulo também não conseguiram passar para as quartas de final da Libertadores.

O Palmeiras com um time limitadíssimo chegou até longe na competição. Sem nenhuma grande estrela e contando apenas com atletas dedicados e esforçados, o clube do Parque Antártica tinha chance de superar os estreantes do Tijuana. Mas uma falha grotesca do goleiro Bruno pôs tudo a perder. O time de Gilson Kleina que já era mediano, não teve a capacidade de reagir. Somente “raça” e “sangue nos olhos” não ajudam a vencer uma partida de futebol. É necessário também aprender a chutar, a dar passes precisos e ter um pouco de talento. Caso contrário, que se monte uma equipe de atletismo e não um time de futebol. A triste realidade da série B chegou de vez ao Verdão. Que saia dessa com dignidade a partir de agora.

Bruno: frango avassalador

Bruno: frango avassalador

O Corinthians, atual campeão do mundo foi eliminado pelo Boca Juniors na Taça Libertadores da América. Em parte porque fez uma péssima partida no estádio La Bombonera no jogo de ida. Porém na volta, o responsável pela desclassificação alvinegra se chama Carlos Amarilla. O árbitro, considerado um dos melhores da América do Sul deixou de dar dois pênaltis para os comandados de Tite. Para piorar os auxiliares Cárlos Cáceres e Rodney Aquino marcaram impedimentos absurdos que alijaram o clube paulista na partida. Riquelme num lindo lance encobriu Cássio e marcou o primeiro gol. O espetacular Paulinho empatou, mas o conhecido estilo de jogo do Boca de Bianchi prevaleceu. Não há muito mais o que comentar. Até porque o resultado foi artificial e o árbitro interferiu descaradamente.

Carlos Amarilla: arbitragem vergonhosa

Carlos Amarilla: arbitragem vergonhosa

Isso é ponto pacífico no blog desde o ano passado. As arbitragens da América do Sul são péssimas e estão prejudicando os clubes brasileiros em demasia. O Corinthians foi mais uma vítima da incompetência dos sopradores de apito da Conmebol.

Kaká e Ronaldinho Gaúcho. Para Que?

Kaká e Ronaldinho Gaúcho: preteridos

Kaká e Ronaldinho Gaúcho: preteridos

A não convocação de Kaká e Ronaldinho Gaúcho para a Copa das Confederações repercutiu. Muitos torcedores e jornalistas não entenderam o porque dos dois atletas não estarem na lista que vai ao torneio de Junho já que ambos tem experiência de sobra se tratando da camisa canarinho.

Porém não é preciso fazer uma análise profunda e descobrir porque ambos não foram relacionados por Scolari.

Ronaldinho Gaúcho teve uma grande fase na seleção brasileira de 2002 até 2005. Depois da Copa de 2006 o seu futebol degringolou e o atual jogador do Atlético Mineiro se mostrou um atleta baladeiro e desinteressado em atuar com a camisa do Brasil. Com atuações medonhas, o prestígio dele com o treinador Dunga decaiu depois do fracasso na Copa da Alemanha. Nem mesmo a “carteirada” que Ricardo Teixeira deu na Olimpíada de Beijing fez o futebol de Gaúcho melhorar. O resultado é que ele não foi chamado para a Copa de 2010 e seu comportamento fechou as portas da Europa para ele. Mesmo voltando a jogar bola no Brasil depois de uma passagem turbulenta pelo Flamengo, Ronaldinho Gaúcho foi convocado para a seleção e continuou com a mesma apatia e falta de liderança. Scolari o convocou para o amistoso contra a Inglaterra e não gostou nada do que viu. Talvez seja um recado velado ao atleta. Talvez não. Conhecendo o modo de pensar de Felipão pode ser que os dias de Ronaldinho Gaúcho com a camisa da seleção estejam definitivamente acabados.

Kaká teve uma grande fase no Milan em 2007. Ajudou a equipe Rossoneri a faturar o quarto título mundial e foi escolhido o melhor jogador do mundo no mesmo ano. Mas parou por aí. Kaká, a exemplo de Gaúcho também alternou bons e maus momentos com a seleção. Não foi um primor nas duas copas que disputou em 2006 e 2010 e atualmente é reserva no Real Madrid sem repetir as grandes atuações do passado. Kaká também parece não se preocupar com a sua carreira na parte técnica e sim financeira. Tanto faz se ele poderia atuar no Brasil e melhorar seu futebol para voltar a seleção. O bom mesmo é ficar na reserva do Real e continuar a ganhar milhões de euros. Kaká perdeu o foco.

As seguidas contusões e a atuações pífias no Real atrapalharam uma possível convocação.

Isso significa que os dois estão descartados? Provavelmente. Talvez Scolari esteja fazendo um teste de fogo para os novatos, talvez não. Mas é impossível saber o que se passa dentro da cabeça do treinador gaúcho.

Lembremos que ele deixou de convocar Alex com quem trabalhou no Palmeiras para chamar Edílson para a Copa de 2002 . O mesmo que fez as provocantes embaixadinhas na final do campeonato paulista de 1999 e que inclusive foi xingado por Scolari numa palestra captada pelo microfone de repórteres. Vai entender…

Finais dos Campeonatos Estaduais

Corinthians:hegemonia em São Paulo

Corinthians:hegemonia em São Paulo

Num dos campeonatos paulistas mais desinteressantes de todos os tempos, venceu o time com melhor capacidade. O torneio foi se arrastando ao longo de 3 meses com poucos jogos relevantes e fracasso vergonhoso de público. Os estaduais são cadáveres insepultos do futebol brasileiro e pelo andar da carruagem os bizarros cartolas continuarão a atrapalhar o calendário como zumbis do Walking Dead.

O Corinthians chegou a final na base do banho maria, pois se preocupou mais com a Taça Libertadores. O Santos de Muricy, mal se sabe como foi para a decisão pois tinha um time limitado e com um Neymar pouco inspirado e irritado pelas badalações em torno da sua vida profissional e privada.

No primeiro jogo no Pacaembu, o treinador santista abusou do “Muricybol “e colocou Marcos Assunção para fechar o meio de campo e aproveitar as bolas paradas como é do feitio de todos os clubes dirigidos pelo Muricy.

Porém, o Corinthians deu um banho no Santos. Não fosse o goleiro Rafael o Peixe teria saído de São Paulo com uma goleada. O alvinegro da capital deu um banho tático e Paulinho atuou monstruosamente. Neymar foi anulado. Na Vila na segunda partida da decisão, não foi muito diferente. Apesar do ímpeto inicial e do gol de Cícero, o Corinthians controlou as ações da partida. Danilo empatou logo em seguida e teve toda a tranquilidade para afastar as investidas santistas até o apito final. Destaque negativo para as lamentáveis cenas de pancadaria realizado pela Polícia Militar antes do início do jogo. Às vésperas de uma Copa das Confederações é lamentável que ainda se veja momentos escabrosos assim.

É o vigésimo sétimo titulo paulista do time do Parque São Jorge. O maior campeão paulista do século passado e por enquanto deste centenário também. O Santos não fez nada de relevante durante todo o torneio para repetir o feito do Paulistano, por enquanto o único time que conseguiu faturar o tetracampeonato paulista. O troféu está em boas mãos.

Quanto aos outros estaduais não houve maiores novidades.

Botafogo: título de cabo a rabo.

Botafogo: título de cabo a rabo.

O Botafogo ganhou de braçada no Rio. Em parte porque Vasco e Flamengo enfrentam sérios problemas administrativos e o Fluminense quase pedia pelo amor de Deus para não participar da competição. Ponto para a postura de Clarence Seedorf que jogou no time da estrela solitária como se fosse um garoto e estivesse atuando no sub-20 do Ajax. Um profissionalismo invejável e que serve de exemplo para muitos garotinhos mimados a leite com pera que se alastram como peste no futebol brasileiro.

Em Minas… Ah! Que novidade… A final foi entre Atlético Mineiro e Cruzeiro. Deu Galo, bicampeão mineiro.

Em Goiás…deu Goiás.

No Ceará…deu Ceará.

No Rio Grande do Sul deu Internacional. O primeiro título de clube do treinador Dunga e que a exemplo do Botafogo ganhou de braçada o título do Gauchão. Ponto negativo para o badalado Grêmio de Vanderlei Luxemburgo que apesar de fazer contratações milionárias não conseguiu chegar à final dos dois turnos.

Dunga: primeiro título regional

Dunga: primeiro título regional

No Paraná outra super novidade (Modo Irônico Ligado). O Coritiba ganhou o seu quarto título estadual seguido em cima de seu maior rival. Nem tanto, pois estranhamente o presidente Mauro Celso Petraglia fez o time do Atlético Paranaense atuar no torneio com seu  Sub-20.

Agora me falem qual o propósito de deixar o time titular encostado e não pegar ritmo de jogo para o campeonato brasileiro que começa na semana que vem?

Será que Petraglia esconde um super time para o torneio nacional? Teremos um novo Barcelona jogando no Sul do país? Aguardemos.

Na terra de todos os santos, o Vitória conquistou o torneio estadual. Mas não precisava humilhar tanto o Esporte Clube Bahia. No primeiro jogo da decisão um histórico 7 x 3. Isso porque nas fases anteriores o rubro negro já havia metido 5 x 1 na Arena Fonte Nova. Fora a chuva de caxirolas em outra derrota do tricolor baiano por 2 x 1.

Se antes dos anos oitenta o Bahia era o time hegemônico no estado, hoje a situação é bem diferente. A partir dos anos noventa o Leão da Barra começou a equilibrar as conquistas pau a pau com o seu adversário. Porém a partir dos anos 2000 o Vitória começou a prevalecer no estado. São 9 títulos do rubro negro contra apenas dois do Tricolor de Aço.

Em tempo, não sou contra o fim dos estaduais. Apenas defendo que se diminuam as datas dos mesmos. Campeonatos desinteressantes e semimortos não podem se arrastar por 3 meses como se tivessem a mesma importância do passado.

O glamour desses torneios virou história. Insistir em reviver algo que não pode ser repetido é um imenso atestado de burrice, atraso e teimosia.

MIXÓRDIA SUL AMERICANA

27/02/2013
torcida do Vézez barbariza: violência crescente

torcida do Vézez barbariza: violência crescente

 

Ontem vimos mais uma vez numa partida de Taça Libertadores da América um ato de selvageria. Desta vez os protagonistas foram os “hinchas” do Vélez Sarsfield da Argentina e do Peñarol de Montevidéu que brigaram no estádio Centenário e atiraram pedras uns nos outros deixando um saldo final de sete feridos e dois torcedores presos.

Depois de tudo o que aconteceu na semana passada, parece que não tem jeito. O barbarismo continua firme e forte no cone Sul.

Depois da morte do jovem boliviano Kevin Strada, a segurança dos estádios e a violência das torcidas organizadas sul americanas foi tema dos mais diversos canais midiáticos.

Alguns trataram o assunto com toda a seriedade que um caso desses necessita. Outros nem tanto. Numa situação grave desse tipo, o clubismo é só mais um adicional para a cafajestagem.

O buraco é mais embaixo. Bem mais profundo do que torcedores e mídia em geral enxergam. Os tristes fatos de Oruro foram apenas mais um caso da longa lista de violência e impunidade que permeou a América do Sul desde os anos 60.

A violência desmedida dos “barrabravas” ou dos “organizados” está encrustado no futebol sul americano. Os clubes mancomunados com esses elementos e seus cúmplices dirigentes nada fazem para deter esses marginais. Pelo contrário, muitos desses cartolas os incentivam.

Explica-se, que a maioria dos clubes de futebol da América do Sul são associações. Não existe um dono como Silvio Berlusconni ou Roman Abramovich que possam centralizar as suas decisões e diminuir o poder político das torcidas organizadas dentro do clube. Muitos desses torcedores são dirigentes ou até se tornaram presidentes do time.

Ou seja, muitos desses cartolas dependem da canalhada para fazer jogo político e se perpetuarem no poder. Isso é fato público e notório.

Exemplos mais latentas que os clubes de São Paulo não existem. A Mancha Alviverde agride jogadores do clube e nenhuma providência é tomada. Fizeram até uma “palestra motivacional” num hotel em Atibaia. Tudo debaixo das asas do presidente do Palmeiras.

A Independente do São Paulo intimida opositores que distribuem panfletos contra o Juvenal e a Gaviões da Fiel quebra aeroportos e incendeia estádios com a anuência catastrófica de nossas autoridades.

Na Argentina, a influência dos “barrabravas” no futebol portenho é algo assustador e preocupante. Até outubro de 2012, mais de 270 torcedores argentinos foram vitimados. Ninguém consegue deter a epidemia de violência que tomou conta do futebol argentino. Muitas de suas torcidas como a “La 12” do Boca Juniors são conhecidas por se tornarem verdadeiras associações criminosas. O livro do jornalista Gustavo Grabia sobre essa organizada argentina é apavorante e provoca calafrios.

Em Avellaneda o presidente do Independiente, Javier Cantero resolveu entrar numa guerra inglória contra os Diablos Rojos, os barrabravas de seu clube. Eliminou todos os privilégios que eles tinham como “mesada” e facilidade na compra de ingressos. Está sendo ameaçado de morte e até recebeu ameaça de bomba na sede do clube.

Javier Cantero: ameaças de morte dos próprios torcedores do clube

Javier Cantero: ameaças de morte dos próprios torcedores do clube

A cultura da impunidade que existe na América do Sul e nos torneios da Conmebol só piora a atual situação vigente.

Os torcedores mais velhos se recordam dos quebra paus homéricos entre argentinos, uruguaios e brasileiros nos anos 60. Isso faz parte do folclore futebolístico da América do Sul. Frases como “isso é Libertadores” demonstram a nossa anuência em relação à violência dentro e fora de campo, como se atirar objetos em campo e ver jogadores participarem de rinhas de UFC fosse algo normal.

Vamos citar apenas alguns exemplos de como a Conmebol é uma entidade banana, prolixa, incompetente e responsável por toda essa mixórdia.

Final da Copa Conmebol de 1997. O Atlético Mineiro goleia o Lanús na Argentina e garante o seu segundo título internacional. Contudo, os jogadores e dirigentes adversários não se conformam com o vareio e agridem covardemente o elenco do galo. O treinador Leão foi golpeado com uma barra de ferro e teve que fazer uma cirurgia de correção do maxilar.

Alguma punição da Conmebol ? Nenhuma

Quartas de final da Libertadores de 2004. Após obter a classificação, os jogadores do São Caetano tem que correr para dentro dos vestiários para não serem linchados pelos “hinchas” do América do México.

Alguma punição da Conmebol? Nenhuma.

Semifinal da Copa Mercosul de 1999 entre Peñarol e Flamengo. Num lance besta os atletas aurinegros partem para a briga contra o elenco carioca com a total leniência da polícia uruguaia. Os flamenguistas fogem para os vestiários para não serem massacrados.

Alguma punição da Conmebol? Nenhuma.

Esses são só alguns exemplos. Existem outros casos que podem ser relatados nessa link, mas ainda é pouco. A América do Sul é a terra de ninguém. Um imenso faroeste futebolístico.

Esperamos que essa nova comissão disciplinar puna seriamente todos os desmandos nos estádios sul americanos com o mesmo peso e a mesma medida. Que não surja um novo STJD que promulgue punições apenas por interesse político.

A punição ao Corinthians foi justa. Esperamos que todos os times sejam tratados com o mesmo rigor em casos graves como ocorreu na Bolívia na semana passada.

Mas isso não depende apenas da entidade sul americana. Os clubes também são responsáveis ao financiarem os marginais organizados. Tem que haver uma separação. Lugar de torcida é na arquibancada e não para servirem de capangas desse ou daquele diretor. Se alguém quiser fazer parte da vida política do clube que se associe.

Que os marginais sejam responsabilizados individualmente pelos crimes que cometem em estádios. Uma arena assim como a rua é um local público. Não há imunidade por ser torcedor. Cometeu um crime? Jaula!

Esperamos que o Vélez e o também o Peñarol sejam responsabilizados e punidos, assim como Corinthians e São Paulo na semana passada.

Daí sim, com o mesmo rigor a todos os participantes da Libertadores poderemos ver esperança de termos um torneio de melhor qualidade e livre da brutalidade genética que permeia o torneio desde a sua criação.

 ps- Quem quiser entender melhor as agruras  ea violência do futebol sul americano  sugiro assistir o programa “The real football factories” da ESPN.  Vejam principalmente os programas feitos na Argentina e do Brasil. Eles estão  disponíveis no Youtube.

O DUELO FINAL

23/06/2012

Corinthians e Boca Juniors vão começar a decidir a partir da próxima quarta uma das finais mais interessantes da Libertadores da América dos últimos anos.

Dois clubes populares, com uma grande massa de torcedores fanáticos, transloucados e apaixonados prometem um duelo histórico e inesquecível para ambas as partes dessa longa e tradicional rivalidade Brasil x Argentina.

O clube brasileiro  disputa a final da competição pela primeira vez e quer a chance de zerar as gozações das torcidas adversárias por nunca ter vencido a competição.

O time argentino deseja igualar o recorde de conquistas de Libertadores do Independiente de Avellaneda e consequentemente se tornar o clube sul americano a vencer mais títulos internacionais.

Uma disputa equilibrada em que um mero descuido de ambas as partes pode trazer uma grande alegria ou uma torrente de lágrimas.

Os xeneizes contam com as estatísticas a seu favor. Em cinco disputas de títulos da Libertadores contra clubes brasileiros, o Boca ganhou quatro, só perdeu para o Santos de Pelé. Mas o time mais popular da Argentina não é mais o mesmo que dominou o continente na década passada. Riquelme está envelhecido e seu principal centroavante é o uruguaio “El Tanque” Santiago Silva, ridicularizado pelas suas patéticas atuações no próprio Corinthians em 2002.

O alvinegro do Parque São Jorge tem um time mais coeso, disciplinado e tem jogadores experientes em competições internacionais como Danilo e Alex. Terá um leve favoritismo pelo fato de realizar a segunda partida no Pacaembu, mas isso poderá se transformar numa pressão desagradável caso o Corinthians tenha uma má jornada em Buenos Aires.

De qualquer maneira, seja lá qual for o resultado, a comemoração em caso de vitória ou de “hinchas” boquenses ou de fanáticos corintianos será avassaladora . Buenos Aires irá abaixo e a cidade de São Paulo vai ter a maior festa de sua história. Se algum dos finalistas perder a festa também está garantida, pois as torcidas rivais vão soltar uma constelação de rojões caso um dos detentores ao título de 2012 for derrotado. Aguardemos. Será uma grande final.

A MESMA HISTÓRIA DE SEMPRE

24/05/2012

Rafael Moura lamenta: faltou inteligência ao Flu

O Fluminense perdeu uma grande oportunidade de voltar a disputar uma semifinal de Libertadores. Ontem contra um Boca Juniors assustado e muito inferior aos grandes times dos anos 2000, o time carioca repetiu os mesmos erros emocionais que sempre desclassificam os clubes brasileiros na competição sul americana e foi eliminado nos momentos finais com um gol tolo do “el tanque” Santiago Silva, que de tão ruim só fez figuração no Corinthians quando atuou por aqui.

O Boca hoje é um time muito inferior tecnicamente aos times que faturaram a América em 2000, 2001, 2003 e 2007. O time xeneize ainda depende Riquelme, que já podemos tratar como um atleta veterano e Schiavi que também já está a ponto de pendurar as chuteiras. No mais, vemos um centroavante careca e obeso que é uma verdadeira piada. Mas a camisa argentina pesou na disputa contra o Fluminense e isso numa Libertadores da América é fatal.

A mitificação insana do Boca e aquelas máximas que é difícil ganhar em La Bombonera pesaram nos atletas do tricolor carioca.

O clube das Laranjeiras tinha tudo para vencer. Apesar das grandes ausências de Deco e Fred o clube ainda tinha uma gama de jovens e bons jogadores. Mas o nervosismo e aquele velho “cagaço” brazuca, que sempre ocorre quando um time brasileiro enfrenta um argentino aconteceu de novo. Apesar da vantagem inicial de Thiago Carleto ainda na primeira etapa, o Fluminense não teve nervos para aumentar o placar e Rafael Moura não conseguiu colocar a boa dentro das redes. Pior que a perda de gols foi a falta de preparo psicológico para administrar o 1 x 0 e pelo menos levar a decisão para os penais.

Diego Cavalieri é um goleiro muito mais preparado que o boquense Orión. Mas o time carioca não pensou coletivamente o e quis fazer o segundo gol milagroso quase no final do jogo e bastou um contra ataque e um toque de Riquelme para que o Boca Juniors empatasse e que o silêncio e os soluços no Engenhão começassem a se manifestar. Me perdoem os mais educados mas que senhora CAGADA!

Lamentável a postura do Fluminense em todos os aspectos. Faltou cabeça e sangue frio diante de um time claramente inferior, mas que teve inteligência. Aliás, essa é a grande diferença da escola portenha para a brasileira. Os brasileiros são emotivos demais e isso atrapalha. A bola pesa e os argentinos são frios, práticos e inteligentes nas horas derradeiras. Por isso ao longo da história vemos times “hermanos” até tecnicamente inferiores desclassificarem clubes brasileiros. A história é velha desde os anos sessenta do século passado e se repetiu mais uma vez ontem no estádio João Havelange.

Fluminense, o que você fez?