AS ´COISAS-ZUMBIS´ TEM VIDA PRÓPRIA

by

Reproduzo aqui a espetacular coluna  de Arnaldo Jabor no dia 15 de maio de  2012.

Um belo resumo das nossas  expectativa e das desilusões dessas duas primeiras décadas do novo século.  Confiram.

Arnaldo Jabor – O Estado de São Paulo

Antigamente tínhamos um norte, ilusório ou não. Hoje, vivemos numa permanente incerteza que tentamos deslindar com mecanismos antigos. O colunista ou comentarista se empoleira num pódio de opiniões e fica deitando regras. Como eu, hoje em crise.

E aí? Qual é essa de um sujeito ficar dizendo o que acha certo ou errado na Paisagem? Fico falando na TV,escrevendo nos jornais, tentando ser relevante, tentando salvar alguma coisa que nem sei o que é. Salvar o quê?

Antigamente, era mole. O mal era o capitalismo e o bem era o socialismo. Agora,os intelectuais, caridosos de carteirinha, cafetões da miséria, santos oportunistas estão em pânico, pois não conseguem pensar sem almejar alguma forma de ‘totalidade’.

Mas,isso acabou. As coisas estão controlando os homens. As coisas tomaram o poder e nós, seus escravos, criamos nomes: ‘neoliberalismo, esquerdismo, nacionalismo’, um reducionismo apressado para nos dar a ilusão de controle. Mas, hoje, a marcha das coisas zumbis já começou.

Diante dessa invasão dos vampiros de mercado e da tecnociência incontrolável, o pensamento ‘progressista’ ficou lamentoso, tristinho de tanto absurdo, tanto na guerra internacional como no caos brasileiro. De que adiantam os queixumes?Como falar em democracia com muçulmanos analfabetos que desde o século 8.º batem a cabeça nas pedras para exorcizar qualquer ‘perigo’de liberdade, repetindo mantras do Corão, enquanto, do outro lado, os caretas republicanos competem para ver quem é mais reacionário e escolhem esse Romney a repetir mantras da Bíblia fundamentalista? É terrível ver a vitória das religiões sobre a razão, é feio ver o século 21 começando na Idade Média, com bilhões de seres dominados por Alá, combatidos pelo Deus da indústria de armas.O homem bomba matou o Eu.

Surge no horizonte da crise uma nova ‘razão irracional’ (se é que o oximoro é possível), pois vemos a direita crescer no mundo, junto a uma esquerda cada vez mais neoestalinista, uma razão burra e organizada, fascistoide, principalmente na América Latina.

O problema é que não conseguimos abrir mão do “eu”, do desejo de ser um profeta ou professor ou comandante, tanto no pensamento, na política e nas artes.E,no entanto,vemos que o mundo se move como uma máquina própria.Os indivíduos viraram apenas uma peça ínfima que às vezes dispara novas rotas para as catástrofes. O “eu” virou um privilégio para poucos. Hitler foi um “eu” que encarnou o rancor nacional da Alemanha. Décadas depois, Osama foi um novo “eu” para atacar a modernização do Ocidente, supremo pavor (e desejo) do Islã. Do outro lado, Bush arrasou a América e o mundo. Dois psicopatas mudaram o tempo. Achávamos que tudo se moveria pelas grandes forças socioeconômicas e acabamos mudados por um maluco religioso e um imbecil alcoólatra.O mal difuso elege apenas seus operadores.

E no meio,entreoindivíduoeamassa, respira a liberdade como um bicho sem dono, a ‘liberdade’ – essa coisa que nos provoca tanta angústia. Que liberdade? Contra um mal teórico ou a favor de um bem inapreensível? A único consolo que resta ao “eu” é o narcisismo como moda social, a acumulação de riquezas, charmes e ilusões. É o nascimento do eu-boçal. Seria o eu-burguês, ou eu-Miami. Ou então, o ‘eu’ como uma espécie de prêmio para quem furar o muro do anonimato, para quem conseguir criar um eu fantasioso, um eu excêntrico, um eu que mostra a bunda,um eu de silicone ou um eu-big brother. O indivíduo está cada vez mais ridículo.

Quem fala debaixo dessas duas letrinhas: o “Eu”? Quem foi que inventou essa voz, esse brado que soa de dentro de um organismo, a partir do qual o mundo é contemplado, o que é essa voz cheia de certezas, quem são esses corpos opinativos que se pensam diferentes, mas são produzidos em série? Eles pensam:” Eu quero ser inconformista como todo mundo…” O eu dos intelectuais está humilhado…

Há um grande desânimo de pensar, de escrever,de análises sobre algo morto e inevitável e que já foi decidido. Refletir, fazer obras de arte, pra Quê? Sem alguma esperança não há filosofia.

O eu está sem orgulho, inútil. E aí,volta minha crise do início deste artigo deprimido (quem aguentou ler até agora?): como analisar racionalmente um país num tempo em que ninguém comanda? Não dá. Tenho de utilizar novos conceitos para isso. Tenho de me conformar que não há mais solução para muitos problemas. Nem para o terrorismo,nem para a miséria e seus crimes. Nem na guerra, nem no tráfico de São Paulo, por exemplo. Está tudo incorporado ao arquivo morto da História.Acabou o sonho de um futuro harmônico. O século 21 vai ser uma bosta mesmo.

2 Respostas to “AS ´COISAS-ZUMBIS´ TEM VIDA PRÓPRIA”

  1. guina rodrigues Says:

    Não gosto do jabor, mas a coluna está sensacional! Vc viu que o Juca publicou uma foto igual a sua no adeus ao JT?

  2. Marcelo Abdul Says:

    Eu adoro o Jabor. Para mim é um dos melhores colunistas do Brasil. Escreve como ninguém e me faz rir muito. Em contrapartida não curto os filmes dele. Eu vi sim. A capa foi uma adaptação de uma charge do Guedex. Era como se o menino de 82 chorasse o fim do jornal. Veja a data abaixo da foto. 31/10/2012. Por essas e outras, como o Jabor resumiu no final, o século XXI vai ser uma bosta mesmo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: