Archive for maio \30\UTC 2012

O CAPÍTULO FINAL

30/05/2012

 

O São Paulo Futebol Clube publicou hoje uma nota em seu site em que esclarece que o atacante Oscar  rescindiu o seu contrato com o tricolor mediante o pagamento de uma multa de 15 milhões de reais.

É o fim da novela Oscar que durou longos trinta meses e que se iniciou com a briga jurídica do agora atacante do Internacional, mais os jogadores Lucas Piazon e Diogo.

Ambos alegaram irregularidade em seus contratos e tentaram sair do São Paulo sem pagar uma multa indenizatória por quebra de contrato. Os três se deram mal.

Ao contrário do que muitos jornalistas de renome alegaram os “mimadinhos” de Cotia não eram escravos. Muito menos eram pobres coitados que recebiam um salário de merda com uma mariola de gratificação.

Os atletas foram aliciados por empresários inescrupulosos que visaram usar o clube do Morumbi como cobaia. Oscar e seus agentes apostaram alto que poderiam sair do Morumbi sem pagar a multa, mas mediante a insistência do São Paulo em discordar da decisão ridícula da primeira instância feito por uma juíza, a máscara caiu. Oscar não era um coitadinho. Ele saiu do clube por dinheiro como ele próprio afirmou ao juiz Caputo Bastos.

Os três rebeldes de Cotia deram um passo maior que a perna e no final deram um tiro no próprio pé. Não se escuta nenhuma notícia de destaque para o lateral Diogo e o tal Lucas Piazon. Foram negociados pelo São Paulo depois de perderem as suas opacas ações na justiça do trabalho e não se fala mais neles. Piazon foi negociado para o Chelsea e ainda não explodiu no time de Roman Abramovich. Diogo está no Anderlech no “poderoso” futebol belga. Ambição demais mata e dissolve carreiras também.

Oscar, a nova escrava Isaura fake do futebol brasileiro teve que pagar a multa rescisória no final das contas. Não adiantou nada posar de injustiçado. As  leis do trabalho no Brasil não podem ser mudadas de uma hora para outra e servir os famigerados agentes de jogadores que buscam atalhos em brechas jurídicas. Foi o que eles acreditaram e no final ambos tiveram que matar o escorpião do bolso e soltar a graninha para a presidência são paulina.

Mais que uma vitória do São Paulo, a rescisão de Oscar representa um triunfo do futebol brasileiro. Agora os clubes terão  a segurança necessária para manter e formar seus atletas e os empresários vão pensar duas vezes antes de convencer os seus pupilos a fomentar saídas forçadas sem justificativa.

Parabéns ao São Paulo Futebol Clube pela insistência e luta. Apesar da falta de apoio dos outros clubes, entidades e de alguns membros da imprensa, o tricolor seguiu firme na batalha jurídica e conseguiu o seu objetivo. Uma das decisões mais importantes do futebol brasileiro nos últimos anos e que vai fazer o esporte crescer ainda mais.

No final, o futebol brasileiro venceu. Fim da novela.

Anúncios

O ITAQUERÃO É ILEGAL. SÓ NÃO VÊ QUEM NÃO QUER (OU NÃO QUER VER)

25/05/2012

Itaquerão: estádio particular construído com 100% de dinheiro público

O Ministério Público entrará hoje com uma ação civil contra o prefeito de São Paulo Gilberto Kassab por improbidade administrativa. O documento afirma que o município deixou de arrecadar 42 milhões de reais por causa dos “incentivos fiscais” dados ao futuro estádio do Corinthians.

Caso a ação seja aceita na justiça, Kassab ficará inelegível até o processo acabar. O Corinthians, a Odebrecht, a Arena Fundo Imobiliário e a BRL Trust (gestora do F.I.), responsáveis pela construção do estádio também serão responsabilizados e poderão até mesmo pagar uma multa de R$ 1,74 bilhão de reais.

Batom na cueca. O estádio corintiano não tem nada de legal em sua construção. Durante todo o processo vimos que a nova arena alvinegra foi construída num acordo pusilâmine entre o governo federal chefiado pelo PT de Lula, a construtora Odebrecht e o Corinthians. O clube alvinegro não gastou nenhum tostão no estádio. A obra é construída com dinheiro público para o benefício de uma entidade privada, o que é totalmente inconstitucional. No entanto, o governo federal, estadual e municipal quiseram colocar o estádio goela abaixo na população paulistana na corrida de ser a arena de abertura da Copa.

Somente o torcedor mais fanático poderia acreditar que Kassab fez um benefício a zona leste com essa obra. Na verdade o prefeito paulistano foi malandro e usou de uma velha lei feita na administração Marta Suplicy e a adaptou como uma camuflagem barata. A tal “isenção fiscal” foi pura balela. O estádio está sendo construído a toque de caixa, com licenças ambientais e alvarás autorizados em tempo recorde e sem a devida análise e fiscalização de documentos. Até mesmo a cessão do terreno feito pelo prefeito Jânio Quadros está em xeque. O Corinthians não cumpriu as contrapartidas para a cessão do local e isso também será alvo de análise do MP.

No entanto, as obras no futuro estádio do Corinthians estão a todo o vapor. Talvez temendo uma possível represália da justiça, a Odebretch quer terminar a arena no tempo mais rápido possível para poder evitar uma paralisação judicial e favorecer a complementação das obras ao clube mandante.

Esperamos que a justiça brasileira acate a denúncia do promotor Marcelo Camargo Milani e a Odebretch, Corinthians, a Arena Fundo e BRL Trust devolvam o dinheiro aos cofres públicos e paguem o estádio. Mas estamos no Brasil. Um país em que um ex-Ministro da Justiça tem a capacidade de defender um contraventor como Carlinhos Cachoeira e que  um Ministro do Supremo Tribunal Federal dá Habeas Corpus a um estuprador que agora se encontra foragido. Tudo é possível no Brasil do PT,PSDB, PMDB, DEMOS e outras siglas maléficas.

A construção do Corinthians tem 100% de dinheiro público da doação do terreno até o último lance de pintura. Se o torcedor mais fanático vê algum benefício nisso não se há muito mais a dizer. Somente notar que durante a administração Kassab nenhum novo corredor de ônibus foi construído e a saúde da cidade de São Paulo é uma calamidade.

Não temos nada contra o Corinthians ter o seu próprio estádio, desde que o faça por meios legais, construído com o seu próprio bolso e não por acordos políticos financiados por políticos que depenam o bolso do cidadão brasileiro. Palmeiras e Grêmio estão fazendo isso, Por que com o Corinthians tem que ser diferente?

O vírus do dinheiro público também atinge outros estádios particulares. As obras de reforma da Arena da Baixada serão realizadas também com o erário do contribuinte e o Beira-Rio teve uma força danada da colorada presidenta Dilma depois de uma briga com a construtora Andrade Gutierrez e a ameaça do adiantado estágio de construção da Arena Grêmio. Pipocam notícias que vai ter dinheiro do BNDES na jogada.

A Copa do Mundo de 2014 como prevíamos é uma verdadeira farra. E o povo brasileiro vai pagar seriamente a conta da irresponsabilidade de pessoas como Gilberto Kassab.

Que a justiça seja feita.

LIÇÃO DE CASA

25/05/2012

Kardec e Neymar vibram: o Santos passa sufoco e se classifica

O Santos venceu o combativo Vélez Sarsfield da Argentina e está classificado para as semifinais da Taça Libertadores da América. Foi uma partida complicada para os atletas de Muricy Ramalho. Depois da derrota para o clube argentino no estádio José Almafitani, o peixe precisaria de dois gols para se classificar durante os noventa minutos. Mas jogos contra clubes argentinos sempre são uma pedreira, principalmente em decisões e mata-matas. Ontem na Vila Belmiro não foi diferente.

O técnico portenho Ricardo Gareca armou uma retranca monstro estilo Chelsea esperando o Santos atacar para terminar num o jogo no contra ataque e com a babaca regra do “gol fora que vale dois”. O time da casa muitas vezes quase caiu na armadilha, mas os futebolistas argentinos foram mal na pontaria, principalmente nas bolas laterais. O Santos também foi combativo no meio e buscou muito as jogadas de ponta com Neymar, mas o craque santista foi implacavelmente marcado pelo jovem Peruzzi e o time alvinegro teve poucas chances de gol. A partida foi disputada e muito equilibrada até que o goleiro argentino Barovero impediu uma jogada de Neymar com falta  fora da área e foi expulso pelo árbitro uruguaio Roberto Silvera.

No segundo tempo o Santos passou a dominar mais o meio campo. Com tranquilidade o peixe tocava a bola esperando achar uma brecha na muralha argentina. O Vélez recuou mais ainda em sua defesa na busca de um contra golpe e a partida começou a ficar preocupante para o torcedor santista pois o empate sem gols classificaria o clube “hermano”. Alan Kardec perdeu um gol inacreditável. Por sorte Muricy Ramalho trocou Juan pelo veterano Leo e o lateral santista colocou fogo no jogo. Numa jogada realizada por ele, Kardec emendou uma bomba que entrou firme no canto esquerdo do arqueiro argentino. O peixe abriu o placar e tranquilizou a equipe, que ao contrário do Fluminense no jogo de quarta contra o Boca, não saiu numa cavalgada insana em busca do segundo gol. O clube brasileiro tocou a bola com tranquilidade e inteligência como todo time brasileiro deve fazer contra os portenhos e o jogo foi para os penais.

Na derradeira disputa o peixe acertou todos os chutes. O Vélez errou com Canteras e Papa. Elano estigmatizado por dois penais perdidos com o Santos e pela seleção brasileira no ano passado desta vez não fez feio e colocou a bola nas redes. Leo, o herói do jogo terminou o serviço e o Santos vai para a sua quinta semifinal de Libertadores. O próximo adversário? O Corinthians. Um dos clássicos mais acirrados do futebol paulista e brasileiro nos últimos anos. O Campeão brasileiro versus o atual campeão da Libertadores e tricampeão paulista. O time do craque Neymar contra a eficiência do clube de Paulinho.

Um autêntico “pega pra capar” imperdível para qualquer pessoa que gosta de ver futebol.

LUIS FABIANO PAGA A APOSTA

24/05/2012

Luis Fabiano e Renato apostaram. Se algum deles perdesse o jogo, o derrotado teria que lavar a roupa suja do time vencedor.  O Botafogo venceu por 4 x 2 e a Consul numa grande sacada fez essa bela peça publicitária. Muito legal pelo fato do futebol estar muito ranzinha ultimamente e praticamente ninguém poder zoar ou sacanear alguém com bom humor. Parabéns a Consul e aos dois atletas que mostraram que o futebol pode ter rivalidade e ser sadio e divertido ao mesmo tempo.

 

PAULADA NA “CACILDAS”

24/05/2012

Luis Fabiano comemora: cadê a crise?

Apesar de todas as últimas notícias negativas e polêmicas criadas por blogueiros e pseudo jornalistas mal intencionados, o São Paulo conseguiu se classificar para as semifinais da Copa do Brasil e vai enfrentar o bom time do Coritiba na próxima fase.

Se alguém dentro ou fora do Morumbi quis implantar  a tal “crise” com uma possível eliminação do São Paulo na competição, se deu mal. O tricolor esteve longe de jogar um bom futebol. Repetiu até alguns erros da “pane” contra o Botafogo pelo campeonato brasileiro, mas o time de Leão fez o dever de casa e arrancou em empate contra o fraco Goiás, que pela série B tomou uma sapecada do América do Rio Grande do Norte por 5 x 2 no último fim de semana.

Sim, acreditem. O São Paulo passou sufoco pelo fraco Goiás, que conseguiu marcar o seu gol ao fazer uma pressão monstro e ganhar o meio campo são paulino. Com a sonolência da meia cancha paulista, o time verde e branco não tardou a marcar o seu gol com Ricardo Goulart. Mas a alegria dos esmeraldinos que vestiam a bandeira de seu estado durou pouco. O são paulino Jadson fez uma boa jogada na entrada da área e empatou num belo petardo. Golaço.

Com a bola no fundo de suas redes, o time da casa recebeu uma ducha de água gelada. Com o critério de gol fora, o Goiás teria que marcar mais três gols, já que perdeu por 2 x 0 na primeira partida no Morumbi. A partir daí o jogo virou um mero amistoso. O São Paulo apesar de seus erros se tranquilizou e a vontade dos goianos esmoreceu. O tricolor bandeirante atuou com tranquilidade e até fez mais um gol com Bruno Cortez, o primeiro dele com a camisa são paulina e despachou de vez qualquer chance do time da casa eliminá-lo. Nem o tento de falta do lateral Egídio tomado numa desviada da barreira ameaçou a classificação são paulina.

A tal chamada “crise” tão decantada em prosa e verso pelos veículos de comunicação ainda não aconteceu. Talvez seja um mero alarme falso. Cuca? Continua no Atlético Mineiro. Inclusive ele foi campeão estadual há poucas semanas e não se tem notícias que o Alexandre Kalil o tenha demitido.

Dunga? Ao que parece o ex-técnico da seleção brasileira quer recomeçar a sua carreira na Europa. Mais precisamente na Fiorentina. E o São Paulo? Vai muito bem obrigado. Semifinalista nas duas competições que disputou até agora. Ou seja, o tricolor ficou no mínimo entre os quatro primeiros. Para super clubes com elencos biliardários como Barcelona e Real Madrid pode não ser muito, mas para um time em formação como o São Paulo é uma ótima notícia.

Erros aconteceram. O time está ainda longe de seu potencial, mas dá para melhorar e muito sem zunido no ouvido ou boatos implantados. Claro que a responsabilidade dessa “crise” não é de 100% da imprensa. Juvenal Juvêncio, Leco e Adalberto Batista fazem uma força danada para que os urubus de plantão do jornalismo façam a festa, mas o pessoal exagerou no teclado com as boatarias nessa semana. Isso foi notório. Só não enxerga quem não quer.

No entanto não é jornalista que entra em campo ou chuta uma bola. Muito menos arma um esquema tático. O São Paulo não ligou para as “Cacildas” de aluguel e seguiu em frente para o bem do futebol.

Agora o tricolor enfrenta o Coritiba, tricampeão paranaense e vice campeão da Copa do Brasil no ano passado. Um time consistente treinado pelo bom técnico Marcelo Oliveira. Uma pedreira que pode atrapalhar o São Paulo na busca do título inédito de campeão da Copa do Brasil.

Quanto as “Cacildas”… Bem….

Ficaram chupando o dedo.

 

 

ADRENALINA

24/05/2012

Paulinho comemora:classificação dramática

Num jogo disputado grama a grama o Corinthians bateu o Vasco por 1 x0 e depois de doze anos está de volta a uma semifinal da Libertadores. Numa partida dramática regada a altas doses de emoção e adrenalina os dois clubes brasileiros proporcionaram uma partida tensa durante quase noventa minutos.

Ambos os times repetiram as mesmas propostas táticas do primeiro jogo em São Januário e privilegiaram a proteção do meio campo, defesa e a armação de contra ataques. O resultado é que vimos novamente uma partida truncada com poucas chances de gols, mas com muita disputa. Tanto Vasco quanto Corinthians poderiam em apenas um lance definir o jogo. Diego Souza teve uma grande oportunidade ao ficar sozinho com o goleiro Cássio, mas o chute do vascaíno foi defendido milagrosamente pelo arqueiro paulista. Se o atacante conseguisse furar as redes corintianas dificilmente o Vasco sairia do Pacaembu desclassificado pois o ridículo critério do “gol fora” faria uma imensa diferença em dois times que jogavam praticamente com esquemas iguais. O cruz maltino Mílton acertou uma cabeçada na trave e agravou o drama da torcida corintiana tão traumatizada com eliminações anteriores.

No segundo tempo o Corinthians aumentou o volume de jogo e passou a pressionar mais o meio campo vascaíno. Aos pouco o talentoso e cansado Juninho perdeu terreno para o seu rival Paulinho. Emerson quase abriu o placar num chute dentro da grande área mas o clube da colina segurou firme o ímpeto paulista. Tudo indicava que a partida caminharia para uma cardíaca cobrança de pênaltis, até que num escanteio quase no final do jogo, o meio campista corintiano Paulinho acerta uma cabeçada certeira no gol de Fernando Prass. A fiel explode e o clube carioca fica totalmente desconcertado. Tomar um gol nessas circunstâncias é como sofre uma morte súbita.

Bem ao seu estilo o Corinthians é semifinalista da Libertadores desde que Marcos agarrou um pênalti histórico de Marcelinho Carioca na semifinal de 2000. Com méritos o time de Parque São Jorge faz uma grande campanha na Libertadores e deixa para trás vários fantasmas que atormentaram o clube durante anos nessa competição. A semifinal contra Vélez ou Santos promete ser eletrizante. Vem mais emoção por aí.

A MESMA HISTÓRIA DE SEMPRE

24/05/2012

Rafael Moura lamenta: faltou inteligência ao Flu

O Fluminense perdeu uma grande oportunidade de voltar a disputar uma semifinal de Libertadores. Ontem contra um Boca Juniors assustado e muito inferior aos grandes times dos anos 2000, o time carioca repetiu os mesmos erros emocionais que sempre desclassificam os clubes brasileiros na competição sul americana e foi eliminado nos momentos finais com um gol tolo do “el tanque” Santiago Silva, que de tão ruim só fez figuração no Corinthians quando atuou por aqui.

O Boca hoje é um time muito inferior tecnicamente aos times que faturaram a América em 2000, 2001, 2003 e 2007. O time xeneize ainda depende Riquelme, que já podemos tratar como um atleta veterano e Schiavi que também já está a ponto de pendurar as chuteiras. No mais, vemos um centroavante careca e obeso que é uma verdadeira piada. Mas a camisa argentina pesou na disputa contra o Fluminense e isso numa Libertadores da América é fatal.

A mitificação insana do Boca e aquelas máximas que é difícil ganhar em La Bombonera pesaram nos atletas do tricolor carioca.

O clube das Laranjeiras tinha tudo para vencer. Apesar das grandes ausências de Deco e Fred o clube ainda tinha uma gama de jovens e bons jogadores. Mas o nervosismo e aquele velho “cagaço” brazuca, que sempre ocorre quando um time brasileiro enfrenta um argentino aconteceu de novo. Apesar da vantagem inicial de Thiago Carleto ainda na primeira etapa, o Fluminense não teve nervos para aumentar o placar e Rafael Moura não conseguiu colocar a boa dentro das redes. Pior que a perda de gols foi a falta de preparo psicológico para administrar o 1 x 0 e pelo menos levar a decisão para os penais.

Diego Cavalieri é um goleiro muito mais preparado que o boquense Orión. Mas o time carioca não pensou coletivamente o e quis fazer o segundo gol milagroso quase no final do jogo e bastou um contra ataque e um toque de Riquelme para que o Boca Juniors empatasse e que o silêncio e os soluços no Engenhão começassem a se manifestar. Me perdoem os mais educados mas que senhora CAGADA!

Lamentável a postura do Fluminense em todos os aspectos. Faltou cabeça e sangue frio diante de um time claramente inferior, mas que teve inteligência. Aliás, essa é a grande diferença da escola portenha para a brasileira. Os brasileiros são emotivos demais e isso atrapalha. A bola pesa e os argentinos são frios, práticos e inteligentes nas horas derradeiras. Por isso ao longo da história vemos times “hermanos” até tecnicamente inferiores desclassificarem clubes brasileiros. A história é velha desde os anos sessenta do século passado e se repetiu mais uma vez ontem no estádio João Havelange.

Fluminense, o que você fez?

CRISE VIRTUAL PRÉ-FABRICADA

22/05/2012

A quem interessa especular sobre a demissão de Leão?

Embaixo dos gols dos craques e da alegria das torcidas do futebol brasileiro se escondem os vermes apodrecidos dos bastidores. As últimas especulações sobre a possível demissão do técnico Leão que pipocam na internet, rádios e televisão são um exemplo de como o jornalismo pode ser usado para prejudicar algumas pessoas e favorecer outras escondidas sobre o manto constituicional da “fonte”.

A pergunta que se faz é a seguinte. Por que as notícias sobre a possível demissão de Leão apareceram na mídia justamente na véspera do São Paulo FC decidir uma vaga na semifinal da Copa do Brasil contra o Goiás?

A quem interessa uma notícia dessas? Isso favorecerá alguém? Existe algum “X-9” nos bastidores do tricolor interessado em plantar notícias? Por que Juvenal Juvêncio não foi consultado pela imprensa sobre o fato já que o mesmo é quem dá a canetada no final ?

Estranho, muito estranho. A direção do São Paulo FC se especializou nos últimos anos a fazer trapalhadas homéricas. A última foi o caso Paulo Miranda. O zagueiro como foi provado no último domingo nunca será um Domingos da Guia ou até mesmo um mero Júnior Baiano, mas os fatos que culminaram nas discussões sobre a permanência de Leão provaram que a direção são paulina apostou num caminho errado e nebuloso.

A especulação sobre a demissão do atual treinador são paulino às vésperas de uma partida decisiva é uma verdadeira piada de mau gosto. Essa espécie de “pressão virtual” causada sabe-se lá por onde e porque não favorecerá o tricolor em nenhuma hipótese.

Afinal onde está a tal “crise”? Há cerca de um mês, o São Paulo fazia uma boa campanha no campeonato paulista e ficou invicto doze jogos igualando inclusive um recorde do próprio clube. A derrota para o campeão da América na semifinal do estadual foi normal. Erros individuais aconteceram? Sim, mas cabe à diretoria trazer reforços nas posições de carência. Buscar um “culpado” é demonstrar amadorismo, ignorância e pouco conhecimento de futebol.

Imagine os jogadores são paulinos pensarem que seu treinador não vai mais comandar o time no meio do campo do Serra Dourada. Com que cabeça os jogadores vão entrar no gramado com todo esse zunido midiático? Isso é uma aberração.

Se os dirigentes são paulinos forem um pouco inteligentes eles mesmos irão consertar a imensa cagada que fizeram e acabar com todo esse bombardeio desnecessário da mídia. Apoiar o treinador e prestigiá-lo nesse momento é fundamental. Se Juvenal não se manifestar a situação irá ficar bem clara pois “quem cala consente”. Um enorme atestado de “jumentisse”.

Há anos o São Paulo não disputa uma semifinal da Copa do Brasil. Desde que a falta de Geovani entrou nas redes de Rogério Ceni em 2000 o grito de campeão está entalado na garganta de cada são paulino. Está na hora de faturar esse título inédito e não realizar guerrinha de bastidores e nem pressão velada. Demitir mais um treinador não vai resolver os problemas do time do Morumbi.

Ao torcedor muito cuidado com o que lê por aí. Algumas notícias cheiram muito mal e me parecem direcionadas. A pergunta feita no início continua. A quem interessa a divulgação dessa crise virtual pré-fabricada no Morumbi?

PELA ENTRADA DOS FUNDOS

20/05/2012

Chelsea: título ganho com sorte e retranca eficiente

O Chelsea venceu o Bayer de Munique nos pênaltis e pela primeira vez em sua história se sagrou campeão europeu de clubes. Não vamos falar de justiça. No mundo do futebol ela não existe. O pior time pode vencer um campeonato desde que se dedique firmemente a sua proposta de jogo. Foi o que os “blues” fizeram ontem no Alianz Arena.

A esquadra inglesa mesmo desfalcada de jogadores titulares como John Terry, Ramires e o português Raul Meireles não se desfez da sua proposta de jogo. O catennaccio que derrotou o Barcelona nas semifinais também segurou com afinco o clube alemão. O Bayer foi o melhor time em toda a partida e teve a maior posse de bola e também as maiores chances de gol, mas o esquema do treinador Jupp Heynckes não conseguiu derrubar o ferrolho inglês.

Quase no final do jogo Thomas Muller acerta uma cabeçada e faz o gol. Era a senha para o quinto título do time de Munique, mas depois de ceder um escanteio besta, o marfinense Drogba também faz um gol de cabeça. O atacante do Chelsea que só fez figuração durante toda a partida conclui um único lance e leva o jogo para a prorrogação.

Na primeira etapa dos descontos o mesmo Drogba faz um pênalti ridículo em Ribery. Título perdido para os atletas de Roman Abramovich? Que nada. A exemplo de Messi nas semifinais, o holandês Robben perde o lance decisivo e chuta a bola para as mãos do excelente Peter Cech . O Bayer de Munique dá sopa para o azar e depois do término da prorrogação vem a roleta russa dos penais.

Após um bom começo o time alemão erra duas cobranças. O Chelsea perde só uma e Drogba, o herói e quase vilão do jogo completa para as redes de Neuer. O pesadelo se inicia em Munique e começa a festa em Londres.

Schweinsteiger lamenta: derrota em plena Munique

Os azuis finalmente conquistam o tão sonhado título europeu mas pela entrada dos fundos. Dos quatro semifinalistas foi o time menos técnico e com a proposta de jogo mais covarde. O clube inglês teve competência em sua proposta defensiva mas também muita sorte pelo fato dos melhores atletas dos times adversários terem uma pane psicológica em momentos decisivos.

O Chelsea não teve um desempenho brilhante e nem avassalador. O time de Di Matteo foi apenas capaz num esquema que privilegiou a retranca e os contra ataques. Num torneio de mata-mata isso foi o suficiente. No campeonato inglês, o Chelsea não ficou nem entre os cinco primeiros.

Mas isso pouco importa para os torcedores londrinos. O que interessa é que eles levaram a taça européia para Stanford Bridge pela primeira vez e cada vez mais se consolidam como um dos grandes do tradicional futebol inglês.

O TRI DO TALENTO

14/05/2012

Aos poucos, o público que acompanha o futebol se rende ao talento de Neymar e do time do Santos. Com grande vantagem goleou o Guarani nos dois jogos das finais e se sagrou tricampeão paulista depois de longos 43 anos. Repetiu um feito que antes só havia sido realizado pelo grande Santos dos anos sessenta.

Ao Guarani só restou mesmo o papel de coadjuvante.  Não tiveram nenhuma chance dada a superioridade técnica do time comandado por Muricy Ramalho.

Os politicamente corretos dirão que o Guarani honrou o título santista, que foi “brigador”, “guerreiro” e outros termos bélicos que tanto servem para consolar os derrotados. Mas o clube campineiro lembrou a luta  de boxe Mike Tyson x Peter MCnilly.  O bugre só fez figuração. Sem o melhor jogador da equipe(Fumagalli)  e sem o principal zagueiro (Neto), além do fato do clube ter aceitado jogar no Morumbi as duas finais,  as chances de conquista do campeonato paulista que eram de 0,1%  se reduziram a zero.

O Santos confirmou o seu favoritismo ao longo do torneio. Foi mal nas primeiras rodadas com um time reserva. Absolutamente justificável pela maratona de jogos que o peixe teve que jogar no ano passado e também pela preparação para a Libertadores desse ano. O clube se planejou e contornou os problemas no banho maria. Com o tempo, o talento do time veio a tona novamente e o clube praiano cresceu na hora certa.  Derrotou o São Paulo com uma partida antológica de Neymar na semifinal e se beneficiou com o “acidente” do Corinthians e da queda técnica do Palmeiras de Felipão.

Após a goleada por 3 x 0 no primeiro jogo, a segunda partida ontem só serviu para confirmar o talento de Neymar, Ganso e da força de Arouca, Edu Dracena e companhia. O Santos é tricampeão paulista com todos os méritos e também o melhor time brasileiro da atualidade.  Seus torcedores já estão ficando mal acostumados. É o quinto título em menos de dois anos. Uma doce rotina para um torcedor que sofreu muito durante duas décadas e que agora está voltando a sentir o gostinho das vitórias.