Archive for fevereiro \28\UTC 2012

FIM DE SEMANA DO FUTEBOL

28/02/2012

Fluminense: show na final da Taça Guanabara

Ao longo do começo de temporada do futebol brasileiro muito se escutou que os campeonatos estaduais são uma “porcaria” e estão com os dias contados. Concordo em parte. Um time grande disputar mais de 4 meses um campeonato regional é uma insanidade. Os estaduais deveriam diminuir suas datas. O futebol brasileiro mudou junto com o resto do planeta. A globalização e a facilidade das comunicações fizeram com que o torneios mais importantes como a Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro e Libertadores se tornassem a prioridade número um dos times brasucas.

Mas nesse final de semana, tivemos um belo exemplo da força dos estaduais, ainda que combalidos. Finais de turno, bons jogos e atuações de gala mostraram que o futebol brasileiro ainda é grande dentro de campo apesar de todos os problemas de organização e os velhos vícios da cartolagem nacional.

Fluminense 3 x 1 Vasco

Abel Braga foi muito criticado por parte de torcida de diretoria do tricolor carioca nesse inicio de temporada. Queriam Renato Gaúcho de volta às Laranjeiras. Um absurdo, já que na minha opinião Renato é um técnico de médio porte. Mas domingo o treinador provou aos torcedores que tem muita balha da agulha. O tricolor carioca fez um grande primeiro tempo contra o badalado Vasco e marcou três gols fulminantes. Wellington Nem infernizou a defesa vascaína e Deco e Fred atuaram de forma magistral. O Vasco acordou tarde e o Fluminense conquistou a Taça Guanabara. Ponto para Abel que tem toda a chance do mundo de formar um timaço este ano. Diego Cavalieri, Deco, Fred, Thiago Neves além de ter Rafael Sóbis, Rafael Moura e Matinuccio como reservas. Se o time der “liga” ninguém segura o tricolor carioca este ano.

Neymar e Ganso: a volta da dupla santista

Santos 6 x 1 Ponte Preta

Depois de um começo de temporada “ameno” no Santos, com a atuação de vários reservas no início de campeonato paulista, o Santos voltou com seus titulares e com o talento de Neymar sobrepujando sobre todos os outros pobres times do interior. Deu pena da Ponte Preta. O peixe deitou e rolou. Um pouco mais de capricho e teria sido de oito, nove ou mais. Apesar do Santos seguir a filosofia “Muriciana” de armar jogadas com a bola parada, a capacidade do camisa onze santista se adapta a tudo. É impressionante o ritmo e a forma de jogar desse rapaz que melhora a cada dia. O Santos é um candidato forte ao tricampeonato paulista.

o argentino Barcos: dois gols no clássico

Palmeiras 3 x 3 São Paulo

Apesar de ambos os times terem elencos limitados Palmeiras e São Paulo fizeram um belo jogo em Presidente Prudente. O verdão com a sua disciplina tática tradicional armada por Felipão e o São Paulo com a sua ousadia ofensiva. Pena que a defesa do tricolor paulista continue a ser um desastre como no ano passado. Rodholfo “Frankstein” e Paulo Miranda falharam feio, mas Cícero e (pasmem!) Fernandinho tiveram boas atuações. No Palmeiras destaque para a atuação do argentino Barcos que fez dois gols. O primeiro um golaço que deixou os defensores são paulinos no chão. Para quem esperava um jogo duro e difícil o empate com seis gols foi uma bela surpresa.

o goleiro Paulo Sérgio: herói

Caxias 1(5) x(4) 1 Grêmio

Semifinal da Taça Piratini, o primeiro turno do campeonato gaúcho. O Grêmio subiu a serra para enfrentar o Caxias na estréia de Vanderlei Luxemburgo no comando da equipe. Parecia que o clube de Porto Alegre iria vencer após o gol de Kléber. Mas o tricolor gaúcho encontrou muita resistência e valentia por parte da garotada do time do Caxias que empatou o jogo. Na decisão por pênaltis o goleiro grená Paulo Sérgio pegou a cobrança de Marco Antônio e marcou o último. Virou herói e colocou o clube da serra gaúcha na decisão contra o Novo Hamburgo. Um alento para quem dizia que no Rio Grande do Sul só existem dois times.  Grêmio e Inter estão fora da decisão.

Depois dos jogos desse final de semana será que é uma boa acabarem com os estaduais?

OS DRIBLES DE RICARDO TEIXEIRA

23/02/2012

Por Jaime Sautchuk

O (ainda!) presidente da Confederação Brasileiro de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira consegue uma vez mais driblar os agentes da lei e se mantém no cargo, e fora das grades. É certo que tem suas malas prontas para se mandar pros Estados Unidos, onde já está sua família e dinheirama que surrupiou nos seus anos de CBF.

 

 
É certo que seu projeto de chegar à presidência da FIFA já naufragou. Era a estratégia montada por seu ex-sogro João Havelange, chefe da gangue que comanda a entidade maior do futebol mundial há décadas, num suceder de jogadas quase sempre nebulosas.

No livro “Os Descaminhos do Futebol”, publicado há anos, eu já contava a história dessa dinastia. Mostrava, inclusive, como o então falido empresário Ricardo Teixeira entrou no mundo do futebol, pelas mãos de seu então sogro, mas eterno comparsa, o Havelange, com ajuda de Edson Arantes do Nascimento, o Pelé.

Pelé, aliás, já havia sido peça chave na eleição de Havelange presidente da FIFA, em 1974. Ele ajudou a realizar, aqui no Brasil, o “mundialito” de 72, uma mini-copa, sem a participação dos europeus, mas atraindo a simpatia de países de outras partes do mundo.

Ele também rodou o mundo criando muitas entidades esportivas nacionais (as CBFs de países africanos e asiáticos). Assim, arregimentou novos membros da FIFA para Havelange se eleger, no plano global.

A trajetória financeira de Teixeira na CBF foi meteórica. Já em 93, nas eliminatórias da Copa dos Estados Unidos, quando o Brasil ia aos trancos e barrancos, a imprensa o assediou, antes do jogo contra o Uruguai, no Maracanã. Um repórter perguntou:

– E se o Brasil for desclassificado?

Teixeira foi curto e grosso:

– Pra mim, nada. Vocês é que vão ter problemas, porque não vão ter o que fazer. Eu sou um homem rico.

Diante do dito, o jornalista Armando Nogueira recheou seu texto, sempre brilhante, com uma frase que resumia tudo, e entrou pra história: ‘Sou um homem rico, não. Fiquei rico’. E foi isso mesmo, vapt-vupt.

Pelé contou inúmeras vezes que, quando Havelange lhe procurou para propor o nome de Teixeira para a CBF, seu argumento tinha dois pilares básicos. Um: embora sendo de outro ramo, seu genro tinha boas idéias para o futebol brasileiro. Dois: além disso, enfrentava muitas dificuldades como empresário.

O patrimônio de Teixeira, hoje escancarado por parte da imprensa brasileira, é de fazer inveja a qualquer milionário do mundo. Ele fez da CBF uma entidade mais que privada. É particular. Boa parte do dinheiro da entidade está em suas contas ou nas de parentes seus, os laranjas, em paraísos fiscais mundo afora.

Um exemplo é o de seu tio Marco Antônio Teixeira. Esse sujeito ficou cinco anos na folha de pagamentos da CBF, sem fazer nada, ganhando a bagatela de R$ 88.070,04 por mês. E, segundo o jornal Folha de S.Paulo, quando foi demitido, recentemente, usou de artifícios contábeis na rescisão para abocanhar mais de R$ 1.620.000,00. Isso mesmo, mais de um milhão e meio.

Parte desse dinheiro, que é lavado lá fora, volta para o Brasil e aplicados nos inúmeros empreendimentos de Teixeira, que vão de ricas fazendas a luxuosos restaurantes. Nisso, ele se beneficia da generosidade da legislação brasileira sobre sonegação fiscal e dinheiro de origem duvidosa, ou melhor, criminosa.

Em seu livro “A Privataria Tucana”, sobre as falcatruas nos governos de Fernando Henrique Cardoso, o jornalista Amaury Ribeiro Jr. trata profundamente dessa questão. E dedica bom espaço a Ricardo Teixeira, como exemplo de lavador de dinheiro sujo.

Mas, tanto no caso dele como no da gangue de FHC, que vendeu empresas públicas para embolsar o dinheiro, a legislação brasileira é branda. Nossas leis estão mais voltadas para recuperar o dinheiro (o que nunca consegue) do que punir os ladrões.

Teixeira, no entanto, está bem mais enrolado, pois há inúmeros casos comprovados de recebimento de propinas para favorecer empresários do futebol. Um caso é o de uma gorjeta de R$ 10 milhões, dada pela empresária Vanessa Precht, que superfaturou o jogo da Seleção brasileira com a de Portugal, em janeiro de 2009. Caso já comprovado.

A desgraça é que, desde a chegada de Teixeira, em 1989, a CBF se emporcalhou e, o que é pior, contaminou a maioria das federações estaduais. Vale lembrar que, até o início da década de 70 o futebol fazia parte da Confederação Brasileira de Desporto (CBD), comandada desde 1956 por Havelange.

A separação foi forçada pelo governo federal justamente para ver se acabava com a roubalheira que existia na entidade geral dos esportes. O desvio de dinheiro do “mundialito” de 72, por Havelange, chegou a irritar o então presidente República, general Ernesto Geisel, a ponto dele determinar a separação. Esforço em vão.

Teixeira teve seu atual mandato esticado para chegar à Copa de 2014, no Brasil, mas teve seu poder esvaziado pela presente Dilma Rousseff no comando dos preparativos do evento. E tudo indica que vai pedir o boné antes que o caldo engrosse. Mas fica o problema de sua sucessão. Seu vice, José Maria Marin, com mandato igualmente estendido, está com 80 anos e com a saúde fragilizada.

As pessoas de bem no futebol defendem que, agora, em vez de nomearem alguém, que sejam realizadas eleições. E que estas, desta vez, sejam limpas. Vamos torcer.

BLOGUEIRO ERRA!

22/02/2012

 

Estive dando uma olhada nos artigos escritos por mim no blog desde 2009. Constatei que acertei em algumas coisas e também errei em outras. Claro, não sou Nostradamus e nem a mãe Dinah. Geralmente baseamos algo em cima de conceitos e informações que nós temos no momento. Mas isso ainda é muito pouco. Peguei dois arquivos para constatar as falhas. A última então nem se fala.

A “LOCA” TORCIDA DO BOTAFOGO

Pois é. Errei feio. Loco Abreu se tornou de fato um ídolo do torcedor botafoguense. Ao contrário de clubes anteriores o centroavante permanece do time de General Severiano até hoje.  Além de ajudar na conquista do campeonato carioca de 2010, o uruguaio se mostrou um líder nato. O Botafogo é o clube em que ele atuou por mais tempo em sua carreira. Até hoje “Loco” continua a fazer gols e a dar alegrias ao alvinegro carioca. É o primeiro grande ídolo do novo século para a torcida botafoguense.

SUPER FERNANDINHO

 “A torcida são paulina não via tanta velocidade e presença de área desde os tempos de Amoroso”. Uhauhauahauahauha!

Tá galera, eu confesso que forcei a barra. Também depois do atleta fazer quatro gols é normal a gente se empolgar um pouco não é? Mas o tal “Super Fernandinho” depois dessa atuação jogou com a kriptonita no bolso. Tem uma boa velocidade, mas pega pela falta de qualidade técnica e principalmente por passar a maior parte dos jogos com a cabeça abaixada. É um atleta comum, para se jogar no Barueri ou no Guaratinguetá, mas não num time grande como o  São Paulo.  Nesse caso, a primeira impressão foi a que não ficou.

MANDRAKE

19/02/2012

Na semana passada, pipocaram na internet e nos principais jornais a possível renúncia de Ricardo Teixeira a presidência da CBF.

Situação agravada pela revelação de duas reportagens que envolveram o cartola. Uma do jornal Folha de São Paulo, denunciou Teixeira na participação nos lucros da empresa Ailanto, que recebeu 9 milhões de reais do governo mensaleiro de José Roberto Arruda para a organização do jogo Brasil x Portugal.

Outra do blog do Juca Kfouri constatou que a filha de 11 anos de idade do cartola recebeu 3,8 milhões de reais do presidente do Barcelona, Sandro Rosell, amigo de longa data do presidente da CBF.

Precavido contra as artimanhas do cartola mór do futebol brasileiro este blog silenciou por quase uma semana aguardando o desenrolar do caso e também evitou qualquer tipo de especulação sobre o tema.

Primeiro, porque estamos no Brasil. Mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico ir para a cadeia ou ser punido por suas falcatruas. Perdoe senhor Jesus, sei que a frase é sua, mas tive que adaptá-la a triste realidade de nosso país.

Segundo, Ricardo Teixeira tem as “costas quentes”. O que não falta para ele é uma corja de políticos e cartolas corruptos e safados que o apoiam descaradamente. Para quem escapou de duas CPIS e conseguiu arquivar todos os processos contra ele as acusações atuais parecem um conto da carochinha. Não será por isso ou pela suposta “falta de apoio” do governo federal que ele vai renunciar ao cargo.

Terceiro, a desistência de araque foi mais uma jogada de mestre, digna de uma pessoa PHD em manipulação. Durante a semana vários presidentes de federações se manifestaram a favor ou contra o cidadão. Alguns claramente querendo um lugar ao sol e mais poder da CBF. Outros, com um apoio discreto, quase minguado.

Ao que parece uma farsa foi montada num momento oportuno para descobrir os “traíras” e dar a desculpa necessária para se fazer um verdadeiro expurgo na CBF e somente colocar próximo ao poder os verdadeiro aliados.

Agora vem a pergunta. Qual o único cartola em evidência hoje que se calou diante das especulações sobre a queda de Ricardo Texeira?

A resposta é Andrés Sanchez.

Pois é. A cama está sendo montada. E ao que parece a vingança do cartolão será digna dos piores momentos da família Bórgia. Entre os “agraciados” o próprio Juca Kfouri, que na minha opinião cometeu um erro grave ao colocar a foto da filha de Teixeira em seu blog.

A garota, que é uma criança não tem absolutamente responsabilidade nenhuma das acusações contra o pai. Juca  foi com muita sede ao pote e realizou um grave deslize jornalístico, primário e quase ingênuo.

Estamos no Brasil, um país em que o culpado por um assassinato é a bala ou a própria vítima.  Não duvidem se o comandante da Confederação Brasileira de Futebol sair como “coitadinho” no final dessa história toda.  Teixeira não teria tanta moral sem o apoio de políticos e cartolas corruptos e vagabundos que o cercam diariamente.

Infelizmente para o azar do futebol brasileiro Ricardo Teixeira vai continuar no cargo e com o apoio dos puxa sacos de sempre e de ex-atletas, agora empresários que vomitam o seu sorriso amarelo junto a um homem acusado de diversas falcatruas.

“Ah! Mas ele ganhou duas Copas do Mundo”.

Pois é Ronaldo, Mussolini também.

A CONVOCAÇÃO DA MÃE JOANA

14/02/2012

Mano Menezes: perdido

O técnico da seleção brasileira Mano Menezes fez a convocação para o jogo contra a Bósnia. Outro daqueles amistosos sem vergonha que a CBF gosta tanto de marcar para a torcida bater palminha. Mas a maior surpresa foi a ausência de atletas do Corinthians na lista.

Corinthians, o atual campeão brasileiro e que tem um meio campo considerado como o melhor do Brasil. Como explicar a ausência de Ralf, Alessandro e a convocação de Fernandinho e de Alex Sandro?

Lucas, Neymar e até Ronaldinho Gaúcho (pasmem!) foram convocados e desfalcarão seus times em partidas importantes.

Pois é. Mal Andrés Sanchez chegou ao cargo de diretor de seleções da CBF e já estamos vendo o resultado.

A seleção brasileira passa por uma espécie de purgatório. Mano Menezes não sabe muito bem o que fazer e nem que direção seguir. A dois anos de uma Copa do Mundo em casa, a prioridade não deveria ser uma Olimpíada e sim a formação de um time para o Mundial no Brasil.

O time canarinho deve ter sim novos valores, mas deve contar também com atletas mais experientes que participaram da Copa de 2010. Maicon, Luis Fabiano são alguns nomes. Não dá para entender a convocação dessa turma de Donetsk e os atletas do Porto.

Não me parece que Mano adota critério técnicos para convocar jogadores. Pensar em Kaká e Ronaldinho Gaúcho é uma insensatez. Um atravessa graves problemas físicos e o outro simplesmente não joga mais futebol.

Enfim, a seleção brasileira virou a casa da mãe Joana. Um cabide para empresários e atendimentos de todos os interesses possíveis, menos o principal: a bola.

E a Copa de 2014 vai chegando…

OS MELHORES DO MUNDO

14/02/2012

Foto histórica .Dois dos maiores arqueiros do mundo se encontram no centro de treinamentos do Real Madrid na Espanha.

Dois goleiraços, dois capitães, dois exemplos de amor e  dedicação aos seus clubes.

BASTA!

13/02/2012

Jadson: cobrança ridícula

Alguns internautas me perguntaram porque não comentei nada a respeito do novo time do São Paulo e da participação do clube no Campeonato Paulista até o clássico contra o Corinthians.

A resposta é bem simples: porque já vi esse filme antes desde 2010 e não vou expor expectativas precipitadas depois do ano passado que foi desastroso.

A fórmula foi exatamente a mesma. Compra de jogadores a rodo como uma feira de domingo. Dispensa de alguns medíocres, contratações “pontuais” de atletas meia boca e sempre a esperança de que os “garotos de Cotia” vão estourar.

Agora, um aviso. Se você é daqueles são paulinos que amam o seu time independente de vitórias ou derrotas é melhor parar de ler a postagem por aqui. O espírito “Trombeta” vai soar forte como o anúncio do fim do mundo.

O Corinthians é o atual campeão brasileiro e tem um time forte e experiente. Mais uma vez colocou o São Paulo na roda apesar de todas as mudanças e “trocas” que o Juvenal prometeu. Alguns vão dizer que é assim mesmo, “que é um time em formação”, “que os rapazes de Cotia precisam de um “tempo” e todas aquelas desculpas típicas que um corno conformado aceita após flagrar a sua mulher com dez caras na cama.

Faz quanto tempo que as promessas são paulinas atuam no clube? Desde 2010. Estamos em 2012. Já passou da hora não? Lucas, o “pseudo craque” que foi defendido por mim aqui neste mesmo blog, mais uma vez não mostrou serviço. Aliás já começo a concordar com as vozes corneteiras que dizem que este rapaz só joga bola contra o Inter de Santo Antão. Em clássicos e decisões ele some. De todas a partidas importantes que o São Paulo fez desde 2010 só vi ele se destacar uma vez contra o Palmeiras pelo campeonato brasileiro. Mas era fim de feira para os dois times. Pela Copa do Brasil e pela Sul Americana no ano passado, o cara não fez porra nenhuma a não ser olhar para o chão tentando driblar até o gândula sem sucesso. Hoje, mais uma vez uma péssima e decepcionante atuação.

Leão, um treinador que tenta se reciclar fez uma tremenda bobagem ao colocar o atrapalhado João Felipe na lateral. O improvisado atleta tomou baile do Jorge Henrique e do Fábio Santos (que em tempos de São Paulo nunca jogou metade do que atuou no Corinthians). Como um paspalho, o lateral “fake” deixou o lado esquerdo corintiano deitar e rolar. Não fosse Denis teria sido de cinco novamente.

João Felipe: atuação desastrosa

Pra completar a atuação bisonha do “Beckenbauer depois da gripe”, a jogada do gol corintiano saiu do lado dele e totalmente desequilibrado emocionalmente foi expulso após cair na malandragem do atacante Jorge Henrique. Uma atuação inesquecível, daquelas para ser emprestado para a Catanduvense no dia seguinte.

O que falar de Jadson? Aquele “desconhecido” do Shakhtar que veio ao Brasil porque o Mano Meneses o convocou para a seleção. Ah! Palermo, Baggio e Elano devem ter se sentido honrados com a cobrança de pênalti dele. Que cartão de visita espetacular ele deu em sua estréia em clássicos. Melhor teria sido ficar na Ucrânia e cometer barbaridades em Donetsk.

Como escreveu o meu amigo Guina, já virou “bulling”. O São Paulo só toma porrada do Corinthians e passa ano e sai ano é sempre a mesma história. Mudam os jogadores, mas a falta de raça e fibra continua a mesma. A torcida corintiana chama os jogadores são paulinos de bichas e os mesmos se comportam como baratas sem sangue. Fazem carinha de choro e vão embora de cabeça baixa pro vestiário pra dar risada na piscina da Barra Funda no dia seguinte.

Uns manés.

A exceção é Cortez. O jogador honrou a camisa que vestiu e deu o sangue do primeiro ao último minuto. Talvez o único verdadeiro jogador de linha com espirito são paulino no dia de ontem.

Mais uma vez peço perdão ao leitor. Talvez este tenha sido a postagem mais corneteira da história do blog. Mas tem uma razão muito simples, já estou de saco cheio de ver a mesma história se repetir.

Ser politicamente correto e equilibrado é uma coisa muito bonita, mas tem hora que devemos tocar o dedo na ferida. Chega! Essa merda precisa acabar antes que o São Paulo vire um time comum. Onde está a grandeza do clube? Cadê o sangue, a raça e o futebol?

O São Paulo é time grande. O jogador que pensa o contrário pode pegar a chuteira e ir enganar em outra praça. Se quiserem dançar balé vão dar totozinho e enfeitar no Bolshoi ou no Circo de Soleil.

A chapa vai esquentar a partir de agora. Se alguns acomodados acham que a torcida do São Paulo não irá fazer pressão pode ir tirando o cavalinho da chuva. Ela é passional e apaixonada como todas as outras.

Se continuarem a pipocar feio vão sobrar ovo e tomate podre em aeroporto.

Uma última pergunta. Por que Juju Khadafi deixou o Fernandinho permanecer no elenco?

Pelo amor de Deus!

PIADA PRONTA

12/02/2012

Enquanto isso num blog com “credibilidade”…

Se eles próprios corintianos admitem que ali é um galinheiro, porque vamos discordar não é verdade? Rssssss.

ENQUANTO ISSO NO PERU…

10/02/2012

INTERNACIONAL GANO AL AURICH CUN JUGADOR DE SÃO PAULO

Fonte:Copaperu.ner

Aurich podría ganar en mesa. El jugador de 20 años de edad, Oscar, que fue el encargado de marcar el primer tanto para los locales rescindió su contrato con el Sao Paulo en el verano de 2010 sobre los salarios pendientes de pago, lo que le permitió firmar por Internacional en una transferencia libre.

Sin embargo, el Tribunal de Trabajo de Sao Paulo ha fallado a favor del club de Morumbí, lo que significa que el jugador se ve obligado a regresar a su anterior club

Por otra parte, el período que pasó en el Internacional,  Oscar será añadido a su anterior contrato con el Sao Paulo, que ahora expira en 2015.

“El contrato entre Internacional y Oscar no va a ser convertida en polvo y todo el mundo se olvidará de que él estaba en el club”, dijo el abogado de Oscar, André Ribeiro.

Por consiguiente el Internacional ha cometido una falta y el veredicto final lo señalará la FIFA en los próximos días.

 

Nota do blog – Ihh! Fu… Inter!

O CRAQUE

10/02/2012

Neymar:: atuação de 15 minutos desmoronou o Botafogo de Ribeirão Preto

Ribeirão Preto. Estádio Santa Cruz.  Dia 9 de Fevereiro de 2012.

O Santos jogava mal e perdia para o Botafogo de Ribeirão Preto, ameaçado por uma crise de três derrotas seguidas.

Ao que tudo indicava, o Pantera venceria um time grande de São Paulo pela primeira vez nesse campeonato paulista.

Neymar, maior nome do Santos parecia tímido e bem marcado pela retaguarda botafoguense.

Até que aos trinta minutos do segundo tempo, uma falta. Ganso com a sua precisão milimétrica coloca a bola na área e uma cabeça com um estranho moicano cabeceia fulminante contra o gol adversário. Era Neymar.

No minuto seguinte, o atleta santista, uma fera despertada faz uma jogada espetacular e como um feitiçeiro hipnotiza seus marcadores, entra na área do Botafogo sozinho mas é derrubado dentro da área.

Pênalti.

Em menos de dois minutos todo o esquema armado para anular Neymar desmoronara como um castelo de areia.   O camisa 11 com precisão converte o penal.

Virada. Mas o show não acabara ainda.

Numa bela tabela o garoto do moicano maluco, fica novamente dentro da área adversária e na saída do goleiro Márcio dá um toque sutil, malandro e poético contra o time do interior. A bola mansamente beija as redes. 3 x 1.

Num último e benevolente ato Neymar dá um passe preciso para Felipe Anderson acabar com o repentino massacre.

Bastaram apenas quinze minutos para que o Santos virasse o marcador e goleasse um duro e desesperado adversário.

Quinze minutos.

Muitos ainda insistem em chamar Neymar de farsa e “marketing”.

Mas depois da partida de ontem não há nenhuma dúvida. Neymar é craque, diferenciado e bem acima de muitos mortais que atuam hoje no futebol brasileiro.

Muitos dizem que o craque é  o jogador que decide e que chama a responsabilidade da partida para si.

Neymar fez isso ontem e de maneira brilhante.

Vamos chamá-lo de que? Bom jogador? Ótimo atleta?

Não é mais possível.

É Craque. Sem mais.