A VERDADEIRA FIEL

by

Fiel? Então fique sem ver o seu time campeão por 38 anos e cante com a mesma vibração...

Existem muitos conceitos estabelecidos no futebol brasileiro. Um deles é chamar a torcida corintiana de “fiel” pelo fato de estar sempre presente nos bons e maus momentos. O que não deixa de ser verdade. Mas na cidade de São Paulo existe uma outra torcida bem mais fiel e muito mais fanática do que a do Corinthians: os fãs da Associação Portuguesa de Desportos.

Muitos vão contestar. Torcedores analisarão números, gráficos, crescimento populacional, ações de marketing, vendas de camisas e de jogos na TV. Mas não é isso do que se trata o tema proposto. Se trata de amor incontestável de uma torcida a um clube mesmo após grandes períodos de turbulência, de más administrações, de jogadores desinteressados e outros fatores que levaram a Portuguesa a ser tratada como um time intermediário e sem tradição.

Vamos analisar friamente. Quando o Corinthians ficou vinte e três anos sem vencer o campeonato paulista, o clube do Parque São Jorge já tinha na sua sala de troféus quinze títulos regionais e quatro torneios Rio-São Paulo. É bem mais fácil um torcedor passar um longo período sem títulos com um currículo assim.

Agora vamos à Portuguesa. O último campeonato paulista que venceu foi no longínquo ano de 1973. E ainda por cima dividido graças a um erro grosseiro de contagem de Armando Marques nos pênais. Os outros dois foram ganhos em torneios considerados mais fracos, pois havia dois campeonatos paulistas em 1935 e 1936 e a Lusa foi campeã da Apea, considerada a disputa mais fraca e sem a presença dos grandes times da capital. Motivo de algumas gozações por partes dos torcedores adversários por só vencer “títulos divididos”. Uma maldade.

A Portuguesa sempre deu grandes times ao futebol brasileiro. Teve grandes esquadrões como o time campeão do torneio Rio-São Paulo de 1952 e 1955 com Julinho Botelho, Djalma Santos e outros monstros. A equipe vice campeã paulista de 1975 que tinha em seu meio campo um dos maiores atletas do futebol brasileiro, o príncipe Eneas.

Como não lembrar do belo time de 1985 que tinha o veterano Luís Pereira, o habilidoso Toninho e o “boy da Mooca” Edu Marangon? Como esquecer o talento do garoto Dener? Como não lamentar o gol de Aílton nos minutos capitais da final do campeonato brasileiro de 1996 e que deu um vice campeonato nacional para a Lusa? E a cafajestagem do árbitro argentino Javier Castrilli na semifinal do campeonato paulista de 1998? Pois é pessoal. São trinta e oito anos de sofrimento. E os torcedores do time rubro verde ainda gritam como loucos, vibram nas vitórias e choram copiosamente nas derrotas.

Mesmo depois de tantos anos sem títulos de expressão, de maus dirigentes, de árbitros picaretas e sem apoio nenhum da midia, qualquer torcedor comum já teria jogado a toalha. Afinal times vem e vão, alguns são campeões mas desaparecem no limbo da história. Aí está o São Caetano como exemplo. Mas o maior patrimônio de um clube é a sua torcida. Apesar de todo o sofrimento, de todas as gozações e barreiras,  o torcedor da Lusa sobrevive firme e forte.

Hoje prestes a conquistar o título do Brasileiro da série B, o fã da Portuguesa mantém o mesmo brilho e fanatismo de tempos atrás. Um amor inexplicável que passa de pai para filho, de filho para neto com um grito que ecoa forte pelos gramados do Canindé com a cruz de Aviz colada no peito.

Você leitor conhece torcida mais fiel que essa?

Está para nascer…

Anúncios

6 Respostas to “A VERDADEIRA FIEL”

  1. Paulo Rubens Says:

    O Coroné Juju Khadafhi de Viterbo teve a pachorra de falar que a Portuguesa não era grande. Tomou fumo de 2 x 0 em Ribeirão Preto. Lembra? Tem nego chamando o time de “Lusinha”. Aí não. Portuguesa é clássico sim, Time foda. Torcida foda. Ainda vou ver a gente devolver aqueles 7 x 2.

  2. Marcelo Abdul Says:

    Eu acho que é clássico sim. Me lembro daquele jogo do brasileiro de 2008 no Canindé…. foi terrível. A torcida de casa gritando o tempo todo. O São Paulo quase perdeu a liderança lá. Não posso chamar um time desse de pequeno.

  3. Reginaldo Alves Says:

    Grande Lusa, que sobrevive contra tudo e contra todos. Merecida a volta pra série A, agora depende da sua diretoria para mantê-la na elite do futebol brasileiro em 2012. Se o planejamento for bem feito, vai dar trabalho pra muito time badalado pela grande mídia, voltando assim a ter os seus jogos contra os outros grandes de SP chamados de CLÁSSICOS.

    Só uma correção, Abdul, se me permitir: o nome correto do clube é Associação Portuguesa de Desportos (sem o “Atlética”).
    Em Santos, tem uma outra Portuguesa e, essa sim, tem “Atlética” no nome: Associação Atlética Portuguesa (popularmente conhecida como Portuguesa Santista).

    Abraços.

  4. Marcelo Abdul Says:

    Valeu Reginaldo. Corrigido. Burroooooooo! Dá zero pra mim!!!!

  5. Geraldo "JASON" Lina Says:

    É pra se pensar.
    É igual briga de marido e mulher, na volta é aquela explosão de emoções.
    Depois de tanto tempo, comemorar um caneco assim, merece muita comemoração.

  6. Marcelo Abdul Says:

    Não é fácil aguentar gozações de adversários. Anos sem títulos de expressão, rebaixamentos, times ruins e ainda assim fazer seu filho torcer para a Portuguesa. Acho que a verdadeira expressão da palavra fidelidade é essa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: